Quatro mergulhadores sofreram uma das piores mortes possíveis durante desastre em mergulho

por Lucas Rabello
0 comentário 871 visualizações

Em 25 de fevereiro de 2022, uma operação de mergulho na costa de Trinidad e Tobago tornou-se catastrófica, resultando na morte de quatro mergulhadores: Fyzal Kurban, Yusuf Henry, Kazim Ali Jr e Rishi Nagassar. O único sobrevivente, Christopher Boodram, escapou por pouco de um destino semelhante em um incidente que envolvia trabalho de manutenção rotineira em um oleoduto submarino.

O oleoduto, que transporta óleo de navios no mar para a costa, necessitava de reparos incluindo a fixação de um vazamento e a substituição de algumas peças de hardware. Os mergulhadores estavam posicionados dentro de uma câmara hiperbárica, um ambiente submarino especializado e pressurizado onde a água é bombeada para fora para possibilitar tais tarefas.

O acidente ocorreu quando a equipe removeu um tampão inflado do oleoduto usando uma alavanca. Esta ação criou, sem intenção, um diferencial de pressão perigoso, sugando todos os cinco mergulhadores para dentro do oleoduto de 76 centímetros de largura no porto de Pointe-a-Pierre.

A arrepiante sobrevivência de Boodram envolveu rastejar e nadar através de óleo e água no oleoduto, encontrando seu caminho até uma curva onde ele foi eventualmente resgatado após três horas pelo filho de Kurban. Apesar das esperanças desesperadas de Boodram pela sobrevivência de seus colegas, os outros quatro mergulhadores foram tragicamente declarados mortos após ficarem presos por até 48 horas.

Uma investigação sobre o desastre resultou em um relatório de 380 páginas que custou 15,5 milhões de dólares, acusando o operador do oleoduto, a empresa Paria Fuel Trading, de negligência grave e homicídio corporativo. O relatório criticou a empresa por falhar em seu dever de cuidado e por se recusar a iniciar uma operação de resgate para os mergulhadores presos, que estavam feridos, mas vivos.

Durante os procedimentos, o gerente de operações do terminal da Paria, Collin Piper, defendeu sua decisão de interromper os esforços de resgate, argumentando que era para evitar mais perdas de vidas. O relatório contestou isso, afirmando que “todas as opções realistas deveriam ter sido consideradas” e lamentou a falta de um plano de resgate mesmo após a chegada de especialistas em mergulho comercial no local.

O depoimento de Boodram forneceu uma visão arrepiante do sofrimento. “Imaginem, lá era como um pesadelo inacreditável. Seus olhos ardem. Toda vez que você tenta abrir os olhos, queima. Está completamente escuro; você não consegue ver nada. Sua garganta arde. Seus ouvidos zumbem e seu corpo dói”, ele compartilhou com a investigação.

No meio da escuridão, Boodram lembrou-se de um momento de iluminação sinistra: “Comecei a ver uma pequena luz no habitat. Juro por Deus que era o anjo da morte vindo me buscar. Disse a mim mesmo que essa era a luz sobre a qual as pessoas falam.” Ele creditou a seus colegas por guiá-lo na direção certa para escapar, um conselho que salvou sua vida, mas que chegou tarde demais para os outros.

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados