Mergulhadores fazem descobertas perturbadoras depois de finalmente chegarem ao fundo do Grande Buraco Azul

por Lucas Rabello
0 comentário 709 visualizações

Localizado aproximadamente 96 quilômetros da costa de Belize encontra-se uma maravilha subaquática conhecida como o Grande Buraco Azul. Esse sumidouro submarino é facilmente distinguível de seus arredores devido a um anel de terra que se projeta levemente acima do Mar do Caribe, cercando o buraco. Os observadores são recebidos por uma visão de um abismo cilíndrico de tons azuis profundos. A profundidade do Grande Buraco Azul atinge cerca de 122 metros, o que representou desafios significativos para a exploração por um longo período.

O Grande Buraco Azul não é único em sua natureza como um “buraco azul”, mas se destaca devido ao seu tamanho imenso. Ganhou notável atenção através das expedições do renomado explorador Jacques Cousteau. Décadas após as explorações de Cousteau, seu neto, Fabien, ao lado do empresário Richard Branson, empreendeu uma jornada às profundezas desta maravilha natural. Em 2018, uma exploração envolvendo um par de submarinos foi realizada para mergulhar nos mistérios do Grande Buraco Azul. Cerca de 91 metros abaixo da superfície, a equipe encontrou uma camada de sulfeto de hidrogênio, marcando uma transição para águas mais escuras e sem vida.

À medida que a expedição avançava mais fundo, alcançou a base do buraco, onde foram feitas descobertas de natureza perturbadora. Entre os destroços, uma garrafa plástica de dois litros e uma câmera GoPro contendo fotografias de férias foram descobertas, indicando a intrusão humana neste habitat natural remoto.

Mais inquietante foi a descoberta de dois corpos, acreditados serem de mergulhadores que anteriormente desapareceram na vasta extensão do buraco. A decisão foi tomada para deixar os corpos intactos, considerando o local como um repouso final adequado, embora as autoridades belizenhas tenham sido informadas sobre o achado.

Explorações adicionais revelaram uma grande rede de cavernas adornadas com estalactites, uma descoberta que foi inesperada para os cientistas. A presença de estalactites abaixo da superfície da água sugeriu que essas cavernas estavam uma vez acima do nível do mar, fornecendo evidências de mudanças geológicas e ambientais significativas ao longo do tempo. Essa descoberta está alinhada com o entendimento de que os níveis do mar eram consideravelmente mais baixos no passado, aumentando dramaticamente cerca de 10.000 anos atrás devido ao derretimento generalizado do gelo. A transição de ambiente terrestre para aquático nessas cavernas é marcada por uma mudança notável na formação rochosa a aproximadamente 91 metros de profundidade.

Richard Branson, refletindo sobre as descobertas dentro do Grande Buraco Azul, destacou as implicações para a compreensão das mudanças climáticas e seu impacto no planeta. Ele enfatizou que a evidência de elevações rápidas do nível do mar no passado encontradas dentro do Buraco Azul serve como um indicador convincente do potencial para futuras mudanças oceânicas. Essa perspectiva é derivada da clara demarcação nas cavernas onde a rocha terrestre transita para formações marinhas, sublinhando as mudanças históricas de terra para mar.

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados 

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso ao permanecer nesse site. Aceitar Leia mais