Monte Everest derrete revelando a vala comum mais alta do mundo

por Lucas Rabello
2,8K visualizações

Nas encostas sagradas do Everest, a mudança climática está afinando a neve e o gelo, expondo os corpos de centenas de montanhistas que morreram perseguindo o sonho de chegar ao topo da montanha mais alta do mundo. Este ano, uma equipe escalou o gigante do Himalaia não para conquistar o pico de 8.849 metros, mas para trazer alguns dos corpos congelados de volta.

Cinco corpos não identificados, incluindo restos esqueléticos, foram recuperados como parte da campanha de limpeza de montanhas do Nepal no Everest e nas montanhas vizinhas Lhotse e Nuptse. Esta tarefa é tão sombria e perigosa quanto parece.

Os resgatadores passaram horas quebrando o gelo com machados, às vezes usando água fervente para libertar os corpos. O major Aditya Karki, que liderou a equipe de 12 militares e 18 alpinistas, disse: “Por causa dos efeitos do aquecimento global, os corpos e o lixo estão se tornando mais visíveis à medida que a cobertura de neve diminui.”

Desde que as expedições começaram na década de 1920, mais de 300 pessoas morreram no Everest, com oito morrendo nesta temporada. Muitos corpos permanecem escondidos pela neve ou engolidos por profundas fendas, enquanto outros, ainda vestidos com suas coloridas roupas de escalada, se tornaram marcos macabros na rota para o cume. Conhecidos como “Green Boots” e “Sleeping Beauty”, esses corpos lembram aos alpinistas a atração mortal da montanha.

As recuperações de corpos no Monte Everest são extremamente difíceis, mas necessárias. “Há um efeito psicológico”, disse Karki à AFP. “As pessoas acreditam que estão entrando em um espaço divino quando sobem montanhas, mas se veem corpos mortos no caminho, isso pode ter um efeito negativo.”

A zona da morte

Uma foto mostra sherpas nepaleses após recuperarem os corpos de dois alpinistas que foram deixados na montanha mais alta do mundo, durante uma expedição de limpeza do Monte Everest.

Uma foto mostra sherpas nepaleses após recuperarem os corpos de dois alpinistas que foram deixados na montanha mais alta do mundo, durante uma expedição de limpeza do Monte Everest.

Muitos corpos estão na “zona da morte”, onde o ar rarefeito e os baixos níveis de oxigênio aumentam o risco de mal da altitude. Os alpinistas devem ter seguro, mas qualquer missão de resgate ou recuperação é cheia de perigos. Um corpo, envolto em gelo até o torso, levou os alpinistas 11 horas para ser libertado. A equipe teve que usar água quente para soltar, tirando-o com seus machados. “É extremamente difícil”, disse Tshiring Jangbu Sherpa, que liderou a expedição de recuperação de corpos. “Tirar o corpo é uma parte, trazê-lo para baixo é outro desafio.”

Sherpa mencionou que alguns corpos ainda pareciam quase como no momento da morte, vestidos com equipamento completo, crampons e arreios. Um parecia intocado, apenas faltava uma luva.

A recuperação de corpos em grandes altitudes é controversa na comunidade de alpinismo. Custa milhares de dólares, e até oito resgatadores são necessários para cada corpo. Um corpo pode pesar mais de 100 quilos, e em grandes altitudes, a capacidade de uma pessoa de carregar cargas pesadas é severamente afetada. Mas Karki disse que o esforço de resgate era necessário. “Temos que trazê-los de volta o máximo possível”, disse ele. “Se continuarmos deixando-os para trás, nossas montanhas se transformarão em um cemitério.”

Os corpos geralmente são enrolados em um saco e colocados em um trenó de plástico para serem arrastados para baixo. Sherpa lembrou de trazer um corpo de perto do pico de 8.516 metros de Lhotse, a quarta montanha mais alta do mundo. “O corpo estava congelado com as mãos e pernas abertas”, disse ele. “Tivemos que carregá-lo até o Campo Três como estava, e só então ele pôde ser movido para ser colocado em um trenó para ser arrastado.”

Rakesh Gurung, do departamento de turismo do Nepal, disse que dois corpos foram preliminarmente identificados e as autoridades aguardavam “testes detalhados” para a confirmação final. Os corpos recuperados estão agora na capital, Katmandu, e os não identificados provavelmente serão eventualmente cremados.

Apesar desses esforços, o Everest ainda guarda seus segredos. O corpo de George Mallory, o alpinista britânico que desapareceu durante uma tentativa de chegar ao cume em 1924, só foi encontrado em 1999. Seu parceiro de escalada, Andrew Irvine, nunca foi encontrado, nem sua câmera, que poderia fornecer evidências de um cume bem-sucedido que reescreveria a história do montanhismo.

A campanha de limpeza, com um orçamento de mais de US$ 600.000, também empregou 171 guias e carregadores nepaleses para trazer de volta cerca de 12 toneladas de lixo. Barracas fluorescentes, equipamentos de escalada descartados, cilindros de gás vazios e até excrementos humanos poluem a rota bem trilhada para o cume. “As montanhas nos deram tantas oportunidades,” disse Sherpa. “Sinto que devemos retribuir a elas, temos que remover o lixo e os corpos para limpar as montanhas.”

Hoje, as expedições estão sob pressão para remover o lixo que criam, mas o lixo histórico permanece. “O lixo deste ano pode ser trazido de volta pelos alpinistas”, disse Karki. “Mas quem trará os antigos?”

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados