Pirâmide na Antártida: a verdade sobre a estranha descoberta

por Lucas Rabello
Publicado: Atualizado em 11,6K visualizações

No meio do gélido expanse da Antártida, uma estrutura que se assemelha a uma pirâmide se ergue de forma dramática das Montanhas Ellsworth. Esse fenômeno desencadeou uma onda de teorias da conspiração e especulações, com alguns entusiastas sugerindo que poderia ser uma pirâmide antiga, talvez até ligada aos egípcios ou outras civilizações perdidas.

Vamos esclarecer: não é uma pirâmide egípcia. A estrutura é um pico de montanha que ocorre naturalmente, moldado pelas forças implacáveis da natureza em um dos ambientes mais inóspitos do mundo. Chamado de “nunatak”, este tipo de pico de montanha emerge do gelo e fica isolado na vasta paisagem branca.

Em 1935, o explorador americano Lincoln Ellsworth foi o primeiro a sobrevoar essas montanhas durante um voo transantártico. A cadeia de montanhas se estende por quase 400 km de comprimento e 50 km de largura, levando seu nome como as Montanhas Ellsworth. É a cordilheira mais alta da Antártida e está localizada em uma área reivindicada pelo Chile.

A “pirâmide” ganhou atenção popular em 2016 após imagens de satélite surgirem online, mostrando o que parecia ser uma forma perfeitamente piramidal entre os picos sul da cordilheira. Essas imagens capturaram a imaginação de muitos, com o pico parecido com uma pirâmide assemelhando-se à icônica Grande Pirâmide de Gizé, só que contra um pano de fundo de gelo em vez de areias do deserto.

As coordenadas 79°58’39.25”S 81°57’32.21”W o levarão diretamente lá no Google Maps, caso você tenha curiosidade. Mas antes de começar a pensar que há um encobrimento ou alguns segredos antigos ocultos, vamos falar sobre o que realmente está acontecendo com essas formações antárticas.

Nunataks

Misteriosas pirâmides na Antártida deixaram os cientistas surpresos

O pico em questão, juntamente com outros na cordilheira, são exemplos de nunataks. Estes são picos que se projetam através do gelo e são expostos aos elementos, ao contrário do terreno circundante que muitas vezes está enterrado sob a neve. Os nunataks servem como auxílios cruciais à navegação na Antártida, às vezes hospedando estações de pesquisa ou abrigos temporários para expedições devido à sua visibilidade e elevação.

Quanto à forma de pirâmide, é um resultado natural dos processos de erosão, particularmente aqueles envolvendo ciclos de congelamento e descongelamento. Durante o dia, a água pode se infiltrar em fissuras na rocha; à medida que as temperaturas caem à noite, a água congela e se expande, separando lentamente a rocha. Ao longo de inúmeros ciclos, essa ação pode esculpir características afiadas e angulares que podem imitar a aparência de pirâmides feitas pelo homem.

Geólogos e glaciologistas se manifestaram para dissipar algumas das alegações mais extravagantes. Segundo eles, embora a forma piramidal seja incomum, não é raro que picos de montanhas, especialmente em áreas glaciais, assumam formas afiadas e angulares devido à convergência de múltiplas geleiras.

Além disso, a ideia de que essas formações sejam algo além de naturais é um exagero. A temperatura média ao redor das Montanhas Ellsworth gira em torno de -30 °C, tornando-a um lugar não facilmente habitável ou adequado para construtores antigos vindos dos trópicos.

Especulações sobre o clima passado da região adicionaram combustível ao fogo. Alguns sugerem que a Antártida já foi coberta por florestas exuberantes e habitada por uma vida selvagem diversa, apontando para evidências fósseis. No entanto, isso foi há milhões de anos, muito antes das civilizações humanas emergirem.

A aparência dos picos semelhantes a pirâmides levou a manchetes sensacionais e teorias selvagens, variando de bases secretas a envolvimento alienígena. É fácil ver por que essas histórias ganham tração; a ideia de histórias ocultas e segredos descobertos é inegavelmente empolgante. Mas na realidade, a explicação científica, embora menos misteriosa, oferece um vislumbre fascinante da capacidade do mundo natural de moldar e esculpir nosso planeta em formas dramáticas.

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados