O retrato clinicamente mais preciso de um psicopata na história do cinema, decidido por especialistas

por Lucas Rabello
574 visualizações

A psicopatia, um transtorno de desenvolvimento caracterizado por uma extrema falta de empatia e envolvimento em comportamentos prejudiciais ou arriscados, tem fascinado cineastas por décadas. Apesar disso, apenas alguns personagens de filmes conseguiram capturar a essência da verdadeira psicopatia.

Em 2013, o professor de psiquiatria belga Samuel Leistedt embarcou em um projeto de três anos para analisar 400 filmes, de 1915 a 2010, em busca das representações mais realistas de personagens psicopatas. Com a ajuda de dez colegas, ele identificou 126 personagens que pareciam exibir traços psicopáticos.

As primeiras representações de psicopatas estavam completamente erradas. Veja Tommy Udo em The Kiss of Death ou Cody Jarrett em White Heat dos anos 1940. Esses personagens, embora sinistros, estavam mais relacionados aos clichês do gênero do que à verdadeira psicopatia. Eles eram tipicamente retratados como sádicos, imprevisíveis, sexualmente depravados e emocionalmente instáveis, com uma inclinação para a violência aleatória e maneirismos bizarros, como risadinhas ou tiques faciais. Essas caricaturas alimentavam o mal-entendido do público sobre como a psicopatia realmente se apresenta.

Até mesmo personagens icônicos de filmes de terror como Freddy Krueger de A Hora do Pesadelo e Jason Voorhees de Friday the 13th erraram feio. Esses vilões de filmes slasher, com sua alegria sádica e inteligência sobrenatural, estão mais preocupados em criar monstros icônicos do que psicopatas realistas. Eles são divertidos, mas não se pode chamá-los de precisos.

E se você acha que Patrick Bateman de Psicopata Americano ou Hannibal Lecter de O Silêncio dos Inocentes acertaram, pense novamente. Leistedt e sua equipe consideraram esses personagens mais ficcionais do que factuais, exagerando pesadamente nas características para efeito dramático.

O destaque, no entanto, é a interpretação arrepiante de Javier Bardem como Anton Chigurh em Onde os Fracos Não Têm Vez. Chigurh incorpora o comportamento frio e desumano de um verdadeiro psicopata. Sua abordagem casual ao assassinato e seu distanciamento de qualquer forma de humanidade fazem dele uma representação clinicamente precisa do transtorno. Como a equipe colocou, ele é invulnerável e completamente desprovido de emoção.

Outra menção honrosa vai para a performance de Peter Lorre no filme alemão de 1931 M. Interpretando um assassino de crianças, o personagem de Lorre é uma representação perturbadoramente precisa de um predador infantil, ressoando com os entendimentos modernos desses criminosos.

O papel de Michael Rooker em Henry – Retrato de um Assassino também foi elogiado. Os relacionamentos pessoais ruins de seu personagem e a falta de planejamento o classificam como um psicopata idiopático, alinhando-se de perto com as definições clínicas.

Curiosamente, o estudo encontrou uma disparidade de gênero notável. Apenas 21 dos 126 personagens psicopatas eram mulheres. Esses personagens geralmente se enquadram no clichê de ‘manipuladoras ardilosas’, usando sua sexualidade como uma arma. Hedra Carlson em Mulher Solteira Procura e Catherine Tramell em Instinto Selvagem são exemplos principais, aproveitando-se dos desejos dos homens para obter vantagens.

Mas nem todas as psicopatas femininas se encaixam nesse molde. Personagens como Annie Wilkes em Misery e Rachel Phelps em Major League quebram o estereótipo, mostrando diferentes facetas da psicopatia feminina que não dependem da manipulação sexual.

O estudo de Leistedt é um mergulho fascinante na representação dos psicopatas no cinema, separando o sensacionalismo do cientificamente preciso. Embora Hollywood adore seus vilões exagerados, a verdadeira psicopatia é muito mais sutil e, de muitas maneiras, mais assustadora.

A diferença entre psicopatas e sociopatas

A diferença entre psicopatas e sociopatas é frequentemente debatida tanto na psicologia quanto na cultura popular, mas ambos os termos descrevem transtornos de personalidade antissociais. Psicopatas tendem a nascer com predisposições genéticas para o comportamento antissocial, enquanto sociopatas geralmente desenvolvem essas características devido a influências ambientais, como traumas na infância ou abusos.

Psicopatas são conhecidos por sua capacidade de mascarar suas verdadeiras intenções, exibindo um comportamento superficialmente encantador e manipulador. Eles podem se integrar na sociedade de maneira funcional, ocupando muitas vezes posições de poder. Sua falta de empatia e remorso é extrema, o que lhes permite cometer atos cruéis sem sentir culpa ou emoção.

Em contraste, sociopatas costumam ser mais impulsivos e desorganizados em suas ações. Eles têm maior dificuldade em manter um emprego ou estabelecer relacionamentos estáveis. Suas explosões de raiva e comportamento errático os tornam mais facilmente detectáveis e menos habilidosos em esconder suas verdadeiras naturezas.

Outra diferença importante é a formação de vínculos. Enquanto psicopatas são incapazes de formar laços emocionais genuínos, sociopatas podem desenvolver alguma forma de apego a um grupo específico ou a indivíduos. No entanto, esses laços são geralmente frágeis e baseados em conveniências momentâneas.

Por fim, ambos os transtornos representam sérios desafios à sociedade, mas a abordagem para lidar com cada um pode diferir. Psicopatas podem necessitar de vigilância constante devido à sua natureza calculista e capacidade de causar dano de forma premeditada. Sociopatas, por outro lado, podem ser mais acessíveis a intervenções terapêuticas que abordem as raízes ambientais de seu comportamento antissocial.

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados