Tribo mutante são os primeiros humanos a se adaptar geneticamente para estar debaixo d’água

por Lucas Rabello
0 comentário 279 visualizações

O povo Bajau da Indonésia é conhecido por sua extraordinária capacidade de mergulhar profundamente no oceano. Vivendo principalmente em casas-barco, esses indivíduos nômades passam uma parte significativa de sua vida na água, tornando-se especialistas em pesca, mergulho e natação. Diferente dos mergulhadores típicos que podem descer até cerca de 40 metros, alguns mergulhadores Bajau se gabam de alcançar profundidades de até 70 metros, equipados apenas com pesos e óculos de madeira.

Melissa A. Ilardo, da Universidade de Cambridge, estudou essa tribo e observou sua capacidade única de mergulhar repetidamente por até oito horas por dia, com cerca de 60% desse tempo passado debaixo d’água. Segundo suas observações, os Bajau podem ter uma vantagem genética quando se trata dessas façanhas subaquáticas, em parte devido aos seus baços anormalmente grandes.

Qual é a importância do tamanho do baço? Bem, verifica-se que em situações onde o oxigênio é escasso, um baço maior pode se contrair para liberar uma reserva de glóbulos vermelhos ricos em oxigênio, aumentando a resistência debaixo d’água. Esse truque fisiológico também é visto em focas que mergulham profundamente, que têm baços desproporcionalmente grandes. Ilardo relaciona essa característica nos Bajau com níveis elevados de hormônio tireoidiano que potencialmente aumentam o tamanho do baço. Ela explica: “Acreditamos que nos Bajau há uma adaptação que aumenta os níveis de hormônio tireoidiano e, portanto, aumenta o tamanho do baço.”

Aprofundando-se nesse aspecto genético, a pesquisa descobriu um gene chamado PDE10A, conhecido por influenciar o tamanho do baço em camundongos. Essa descoberta aponta para uma possível adaptação evolutiva nos Bajau, refinando seus corpos para o mergulho em alto mar ao longo de gerações.

Enquanto a pesquisa de Ilardo oferece uma visão genética fascinante, outros cientistas pedem uma perspectiva anatômica mais ampla. Richard Moon, da Escola de Medicina da Universidade Duke, especula sobre outras mudanças fisiológicas que podem ajudar os Bajau. Ele refletiu: “A parede torácica pulmonar pode se tornar mais complacente. Pode haver alguma flexibilidade que se desenvolve com o treinamento. O diafragma pode se esticar. Os abdominais podem se tornar mais complacentes. Realmente não sabemos se essas coisas ocorrem.”

Apesar dessas descobertas inovadoras, nem todos estão prontos para mergulhar de cabeça nessa crença. Cynthia Beall, da Universidade Case Western Reserve, exige mais evidências biológicas tangíveis. Ela enfatiza a necessidade de “mais evidências biológicas mensuráveis” antes de endossar completamente a ideia de que um traço genético é a chave para as incríveis capacidades de mergulho dos Bajau.

Curiosamente, alguns mergulhadores Bajau afirmaram permanecer submersos por até 13 minutos em um único mergulho, alcançando profundidades impressionantes que levaram alguns a afirmar romanticamente que podem “alcançar o fundo do oceano”.

Os estudos fisiológicos e genéticos envolvendo os Bajau apresentam uma narrativa envolvente de adaptação humana a condições extremas. Embora o quadro científico completo ainda esteja por ser pintado, os dados coletados até agora iluminam como nossos corpos podem evoluir de maneiras verdadeiramente notáveis para atender às demandas de nosso ambiente.

Inscreva-se no canal Mistérios do Mundo no YouTube

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados