Tribo asiática desenvolveu ‘novo gene mutante’ para nadar debaixo d’água 5 horas por dia

por Lucas Rabello
0 comentário 3,7K visualizações

Conheça o povo Bajau, os nômades do mar do Sudeste Asiático, que têm uma adaptação extraordinária que os ajuda a viver suas melhores vidas debaixo d’água. Eles têm mergulhado e vivido em casas flutuantes por quase um milênio, e seu estilo de vida moldou seus corpos de maneiras fascinantes.

O povo Bajau não apenas molha os pés na água – eles mergulham fundo, frequentemente passando até cinco horas por dia debaixo d’água, entre subidas e descidas. Eles praticam mergulho livre com óculos de madeira tradicionais e cintos de peso, caçando peixes e coletando moluscos. Seu modo de vida exige habilidades sérias de prender a respiração, e seus corpos se adaptaram de uma forma impressionante: eles desenvolveram baços maiores do que a média humana.

Tribo asiática desenvolveu 'novo gene mutante' para nadar debaixo d'água 5 horas por dia

O baço pode não ser o primeiro órgão que você pensa como crucial, mas ele desempenha um papel fundamental na oxigenação do sangue. Quando você prende a respiração e mergulha na água, seu corpo entra em modo de sobrevivência. Esta “resposta ao mergulho” desacelera o ritmo cardíaco, contrai os vasos sanguíneos em suas extremidades para conservar oxigênio para os órgãos vitais e contrai o baço. Essa contração libera uma reserva de glóbulos vermelhos oxigenados, dando um impulso – como um tanque de mergulho natural.

Melissa Ilardo, pesquisadora da Universidade de Copenhague, estudou os Bajau e descobriu que seus baços são cerca de 50% maiores do que os de uma aldeia vizinha. Isso é significativo porque um baço maior pode armazenar mais glóbulos vermelhos oxigenados, crucial para seus longos mergulhos.

Tribo asiática desenvolveu 'novo gene mutante' para nadar debaixo d'água 5 horas por dia

A pesquisa de Ilardo não parou na medição dos baços. Ela e sua equipe queriam saber se havia uma razão genética para essa adaptação. Eles encontraram um gene chamado PDE10A, associado ao tamanho maior do baço dos Bajau. Esse gene regula um hormônio tireoidiano em camundongos, que também afeta o tamanho do baço, sugerindo uma fascinante adaptação genética em ação.

Não é a primeira vez que os humanos mostram adaptações notáveis ao seu ambiente. O povo tibetano que vive em grandes altitudes desenvolveu traços genéticos para lidar com baixos níveis de oxigênio, provavelmente devido ao cruzamento antigo com neandertais. A adaptação dos Bajau é outro exemplo brilhante da resiliência e engenhosidade humana.

Rasmus Nielsen, coautor do estudo da Universidade da Califórnia, Berkeley, destaca o potencial interesse médico dessas descobertas. Entender os genes que ajudam os Bajau a prosperar em condições de baixo oxigênio pode oferecer insights para tratar a hipóxia, uma condição causada por níveis inadequados de oxigênio, relevante para muitas situações médicas.

No entanto, o modo de vida dos Bajau está ameaçado. Santarawi Lalisan, um ancião da tribo, expressou preocupações sobre a invasão dos modos ocidentais. A poluição plástica é um dos maiores problemas. À medida que os Bajau começaram a frequentar supermercados e usar produtos plásticos, suas águas antes cristalinas estão se entupindo de lixo, dificultando a manutenção de seu estilo de vida tradicional.

Inscreva-se no canal Mistérios do Mundo no YouTube

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados