Tragédia no Japão: voo 123 da Japan Airlines em 1985

por Lucas Rabello
Publicado: Atualizado em 3,8K visualizações

Em um dia fatídico há mais de quatro décadas, uma tragédia se abateu sobre os céus do Japão. A bordo de um voo condenado, um passageiro capturou uma foto arrepiante momentos antes de a catástrofe se desenrolar, selando o destino do voo 123 da Japan Airlines na história como um dos capítulos mais sombrios da aviação.

A jornada começou de forma inocente o suficiente, com a aeronave decolando do aeroporto de Haneda em Tóquio no limiar da noite, com seus olhos fixos em um salto rotineiro de uma hora. No entanto, poucos minutos após o voo, um fracasso catastrófico se aproximava. Uma chamada de socorro crepitou pelas ondas de rádio – o avião estava perdendo altitude rapidamente. O culpado? Uma explosão catastrófica no anteparo traseiro, uma peça vital da anatomia do avião, havia retirado o controle das mãos dos pilotos.

Em uma tentativa desesperada por salvação, o cockpit emitiu pedidos para desviar para Tóquio, lutando por tempo de voo sobre os picos formidáveis da Cordilheira de Kantō. Por 30 minutos angustiantes, eles travaram uma batalha perdida contra a gravidade.

O momento não poderia ter sido mais comovente. A véspera do Bon, um feriado japonês reverenciado, significava que cada assento estava ocupado, 509 passageiros viajando ao lado de 15 tripulantes. Desconhecendo o espectro iminente da tragédia, os passageiros imortalizaram seu voo em fotografias, lembranças inocentes transformadas em relíquias assustadoras.

Passageiro tirou foto final trágica dentro do avião poucos segundos antes de um dos acidentes mais mortais da história

Entre estas, uma imagem que foi recuperada dos destroços se destaca de forma marcante. Uma cena de calma surreal antes da tempestade, máscaras de oxigênio pendem como tentáculos sinistros, um testemunho silencioso do caos que se desenrolava fora do quadro. Um membro da tripulação, uma figura solitária no tumulto, agarra-se ao sopro da vida através de uma máscara amarela.

O resultado foi um testemunho arrepiante da remotidade de seu último repouso. O abraço traiçoeiro da montanha manteve os destroços afastados da ajuda oportuna. Foram 14 horas árduas antes que os socorristas chegassem ao local.

Dos 524 a bordo, apenas 4 emergiram como sobreviventes, um saldo sombrio que marca essa catástrofe como o acidente de avião único mais mortal em tempo de paz. O veredicto final apontou para um reparo defeituoso anos antes, uma bomba-relógio que encontrou seu fim inevitável naquele fatídico dia de verão.

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados