‘Objeto mais perigoso de todos os tempos’ foi criado por acidente e matou as pessoas que o criaram

por Lucas Rabello
0 comentário 1,1K visualizações

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Projeto Manhattan, um conjunto de cientistas e pesquisadores de elite nos EUA, desenvolveu a primeira bomba atômica do mundo. Esse significativo feito, no entanto, veio acompanhado de perigosos acidentes, especialmente envolvendo algo chamado de ‘núcleo demoníaco’.

Este notório pedaço de plutônio ganhou seu sinistro apelido devido ao seu papel em uma série de acidentes fatais. Os pesquisadores estavam fascinados por esse pedaço de metal, não pela sua aparência, mas pelo seu potencial de revelar os mistérios das reações em cadeia nucleares. O núcleo poderia se tornar ‘supercrítico’ — um termo que indica uma reação em cadeia nuclear autossustentável. Para entender esse ponto crítico, os cientistas provocavam e manipulavam o núcleo demoníaco, metaforicamente falando, é claro.

Os cientistas morreram por causa do ‘núcleo demoníaco’. (Laboratório Nacional de Los Alamos)

Os cientistas morreram por causa do ‘núcleo demoníaco’. (Laboratório Nacional de Los Alamos)

Uma dessas tentativas levou ao primeiro acidente fatal em 1945, envolvendo o cientista Harry Daghlian. Apesar dos protocolos que ditavam trabalho em equipe, Daghlian encontrou-se sozinho no laboratório uma noite. Um deslize da mão, e um tijolo de carbeto de tungstênio caiu sobre o núcleo, fazendo-o tornar-se supercrítico. Daghlian interveio para corrigir seu erro, mas acabou absorvendo uma dose letal de radiação. Sua luta contra o envenenamento por radiação terminou tragicamente menos de um mês depois.

Mas a equipe aprendeu com isso? Nem tanto. Em maio de 1946, o núcleo estava no centro de outro acidente. Surge Louis Slotin, apelidado de ‘cientista caubói’ por sua abordagem despreocupada na experimentação. Durante um experimento que envolvia o posicionamento de metades de uma cúpula de berílio ao redor do núcleo de plutônio, Slotin e sua equipe deixaram as metades se tocarem — um erro crítico. O núcleo tornou-se supercrítico mais uma vez, expondo todos na sala a níveis perigosos de radiação. Slotin, estando mais próximo do núcleo, recebeu uma dose fatal.

Os cientistas morreram por causa do ‘núcleo demoníaco’. (Laboratório Nacional de Los Alamos)

Louis Slotin. (Los Alamos National Laboratory)

Esses incidentes levaram a uma grande reformulação dos protocolos de segurança dentro das equipes e institutos científicos, impulsionada pela necessidade urgente de prevenir mais catástrofes. Finalmente, a saga do núcleo demoníaco concluiu com seu derretimento. O material foi reutilizado em núcleos menores para outras armas nucleares no arsenal dos EUA.

Apesar de sua transformação, o núcleo demoníaco permanece como um símbolo da perigosa busca pelo conhecimento científico, muitas vezes comparado ao infame ‘pé de elefante‘ de Chernobyl em termos de risco.

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados