O que acontece quando alguém está prestes a morrer? Enfermeira responde

por Lucas Rabello
Publicado: Atualizado em 9,2K visualizações

Enfrentar os momentos crepusculares da jornada de um ente querido pode ser uma montanha-russa assustadora, repleta de emoções e voltas inesperadas. E Julie McFadden, enfermeira de Los Angeles que está chamando a atenção e tocando corações com sua sabedoria nas redes sociais sobre o final inevitável que todos enfrentamos: a morte. Com uma tribo digital de mais de um milhão de seguidores pendurados em suas palavras, McFadden não é apenas qualquer enfermeira; ela é a heroína dos cuidados paliativos guiando famílias através dos adeuses agridoces.

McFadden viu de tudo. Seu recente sucesso no YouTube, ‘Visões do Fim da Vida e o Olhar da Morte’, revela o que muitos sussurram, mas poucos entendem. Ela mergulha no mundo misterioso e fascinante do ‘olhar da morte’—aquele olhar intenso e inabalável fixado em um ponto invisível na sala. É como se a pessoa estivesse presa a algo ou alguém invisível para o resto de nós, e nenhum estalar de dedos ou chamado pode quebrar esse estado quase hipnótico.

Mas espere, há mais. Esse ‘olhar da morte’ muitas vezes vem acompanhado de ‘visões do fim da vida’. Imagine isso: uma pessoa moribunda, envolvida no mistério de seus momentos finais, começa a conversar animadamente com um ente querido que já fez a passagem para o além. Sim, conversas com o invisível, completas com sorrisos e risadas, como se estivessem colocando o papo em dia.

Agora, imagine um senhor idoso, uma alma doce em seus meados dos 90 anos, sob o olhar atento de McFadden. Casado por mais de sete décadas com sua esposa igualmente adorável, esse duo redefine #MetasDeCasal. O homem, embora um tanto confuso, ainda se ilumina ao ver sua parceira de toda a vida. No entanto, em meio às suas trocas ternas, ele é subitamente atraído por algo—ou alguém—mais na sala, exibindo sorrisos que poderiam iluminar as noites mais escuras.

Sua explicação? Ele está tendo um encontro divino com ninguém menos que Jesus. Agora, antes de tirar conclusões precipitadas, McFadden é rápida em apontar que essas visões são profundamente pessoais, muitas vezes influenciadas pelas crenças religiosas ou espirituais de alguém. Portanto, seja Jesus, um parente distante ou um animal de estimação da infância, a essência desses encontros é tão única quanto o indivíduo que os vivencia.

Mas aqui é onde a história fica arrepiante. A cunhada do homem, uma querida amiga do casal, havia falecido recentemente—uma notícia que sua esposa manteve em segredo, temendo que pudesse perturbá-lo. No entanto, em uma reviravolta que poderia dar a qualquer romance de mistério uma corrida pelo seu dinheiro, ele revela que ela o visitou em suas visões, compartilhando a notícia de sua partida deste mundo.

Qual é o negócio com o ‘olhar da morte’, você pergunta? A ciência e a espiritualidade ainda têm que se unir e desvendar esse enigma. McFadden lança luz sobre o lado fisiológico das coisas: à medida que o pano da vida começa a fechar, nosso corpo relaxa, incluindo os músculos responsáveis por fechar nossos olhos. Mas esse ‘olhar da morte’—esse foco intenso em algo além de nossa percepção—é mais do que apenas um olhar relaxado. É uma conexão, um momento de clareza em meio à névoa final da vida.

A grande lição das histórias de McFadden? Esses fenômenos do fim da vida, embora envoltos em mistério, são mais comuns do que podemos pensar. E ao compartilhar essas histórias, McFadden não está apenas distribuindo fatos; ela está tecendo uma tapeçaria de compreensão, ajudando-nos a ver a beleza e a normalidade desses momentos profundos.

Portanto, da próxima vez que você ouvir sobre o ‘olhar da morte’ ou visões do fim da vida, lembre-se das percepções da Enfermeira Julie. Esses momentos, por mais estranhos que possam parecer, fazem parte da rica e complexa tapeçaria de nossa experiência humana. E, embora o porquê permaneça um sussurro elusivo, uma coisa é certa: diante do desconhecido, há conforto em saber que não estamos sozinhos em nossas experiências ou curiosidades.

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados