O mistério de 100 anos da ‘Cachoeira de Sangue’ na Antártida foi finalmente resolvido

por Lucas Rabello
0 comentário 6,7K visualizações

A ‘Cachoeira de Sangue’, localizada no leste da Antártida, frequentemente surpreende os observadores, pois parece sangue escorrendo da geleira Taylor para o gelado Lago Bonney Oeste. Apesar de sua aparência assustadora, esse fenômeno não esconde uma história de terror, mas sim um significado geológico e biológico intrigante.

Durante um debate transmitido em um episódio de 2020 do PBS Terra, cientistas estacionados perto  da ‘Cachoeira de Sangue’ compartilharam insights sobre por que essa maravilha antártica não é uma cena de um filme de suspense. Conversando com os apresentadores Arlo Perez e Caitlin Saks, um hidrogeólogo da Universidade Estadual da Louisiana expressou uma fascinação única pelo local. “A ‘Cachoeira de Sangue’ é um tipo de obsessão para muitas pessoas, não há nada igual na Terra”, mencionou ele, destacando sua natureza distinta.

Ao contrário da maioria das paisagens geladas da Antártida, a geleira Taylor apresenta um caso excepcional. Ela não está congelada sólida até o leito rochoso, provavelmente devido aos sais concentrados da cristalização de água do mar antiga sob ela. Essa característica contribui para o fenômeno único na ‘Cachoeira de Sangue’.

O fluxo carmesim não é o que parece. A microbiologista Jill Mikucki, que se juntou a Saks para uma inspeção mais próxima das quedas, esclareceu a cena. “Todo o vermelho aqui são óxidos de ferro, mas como você pode ver, essa água aqui é bastante clara. Se a água está clara e tem ferro nela, isso significa que ainda não foi oxidado”, explicou ela. O ferro oxida quando entra em contato com o ar, criando a cor vermelha marcante sinônimo da ‘Cachoeira de Sangue’.

Mikucki também aprofundou-se na importância dos micróbios que vivem nessas condições extremas. “Entender como os micróbios conseguem sobreviver em um ambiente tão hostil e salgado pode nos ajudar a entender melhor como eles poderiam possivelmente sobreviver em outros lugares do nosso sistema solar, como Marte”, observou ela. Assim, a pesquisa na ‘Cachoeira de Sangue’ pode se estender além do nosso planeta, oferecendo pistas sobre o potencial da vida em outros mundos.

Esse fenômeno, portanto, não é apenas uma curiosidade ou uma peculiaridade natural, mas um local de pesquisa crucial para cientistas que exploram os limites da vida na Terra e, potencialmente, em outros lugares do cosmos. As quedas, com sua aparência enganosa, oferecem uma mistura única de geologia e microbiologia que continua a atrair não apenas cientistas, mas também aqueles fascinados pelos extremos do nosso planeta.

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados