Mulher explica por que deseja acabar com sua vida aos 29 anos ao receber aprovação para eutanásia

por Lucas Rabello
0 comentário 8,K visualizações

Aviso: Este artigo contém uma discussão sobre morte assistida que alguns leitores podem achar angustiante.

A holandesa Zoraya ter Beek obteve o direito à eutanásia devido ao sofrimento mental e está prevista para encerrar sua vida nas próximas semanas. Ela disse ao The Guardian: “Sinto alívio. Foi uma luta tão longa.” No dia de sua eutanásia, uma equipe médica virá à sua casa, a sedará e administrará medicamentos que irão parar seu coração. Ter Beek descreveu o processo como “parecido com adormecer.” Seu parceiro estará ao seu lado, embora ela tenha assegurado a ele: “Está tudo bem se você precisar sair da sala.”

Na Holanda, a lei exige que a pessoa que busca a morte assistida esteja sofrendo de forma ‘insuportável, sem perspectiva de melhora’, e deve estar totalmente informada e capaz de tomar tal decisão. Ter Beek abordou equívocos sobre doenças mentais, afirmando: “As pessoas pensam que, quando você está mentalmente doente, não consegue pensar direito, o que é insultante.” Ela reconheceu as preocupações de algumas pessoas com deficiência sobre a morte assistida, mas enfatizou: “Na Holanda, temos essa lei há mais de 20 anos. Existem regras realmente rígidas, e é realmente seguro.”

Ter Beek tem depressão crônica, ansiedade, trauma e um transtorno de personalidade não especificado. Ela se automutilou e se sentiu suicida por anos. Apesar de passar por vários tratamentos, incluindo terapia, medicação e terapia eletroconvulsiva (ECT), ela não encontrou alívio duradouro. “Na terapia, aprendi muito sobre mim mesma e mecanismos de enfrentamento, mas isso não resolveu os principais problemas”, disse ela. “No início do tratamento, você começa esperançosa. Eu pensei que iria melhorar. Mas quanto mais o tratamento continua, você começa a perder a esperança.”

Ela completou sua última sessão de ECT em agosto de 2020 e solicitou a morte assistida em dezembro do mesmo ano. O processo de aplicação foi longo e complicado. Ter Beek teve que ser avaliada para sua elegibilidade, obter uma segunda opinião e ter tudo revisado por um médico independente. “Nos três anos e meio que isso levou, nunca hesitei sobre minha decisão. Eu senti culpa – tenho um parceiro, família, amigos e não sou cega para a dor deles. E senti medo. Mas estou absolutamente determinada a seguir em frente.”

A cada etapa, os médicos perguntavam se ela tinha certeza de sua decisão e lembravam que ela poderia parar a qualquer momento. “Todo médico em cada estágio diz: ‘Você tem certeza? Você pode parar a qualquer momento.’ Meu parceiro esteve na sala para a maioria das conversas para me apoiar, mas várias vezes ele foi solicitado a sair para que os médicos pudessem ter certeza de que eu estava falando livremente.”

Outras pessoas também buscaram a morte assistida com base em motivos psiquiátricos, enquanto no Reino Unido há um debate contínuo sobre a legalização da eutanásia. A história de Ter Beek destaca as rigorosas salvaguardas e a determinação pessoal envolvidas no processo de morte assistida na Holanda.

Se você foi afetado por algum desses problemas e deseja falar com alguém confidencialmente, não sofra sozinho. Ligue gratuitamente para o número 188 se estiver no Brasil ou 213 544 545 se estiver em Portugal.

Inscreva-se no canal Mistérios do Mundo no YouTube

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados