Mistério de como os antigos egípcios construíram as pirâmides finalmente foi resolvido

por Lucas Rabello
1 comentário 4,2K visualizações

Cientistas descobriram um ramo oculto do Rio Nilo que uma vez passou por mais de 30 pirâmides no Egito. Esta descoberta pode finalmente explicar como os antigos egípcios transportaram os blocos de pedra maciços usados para construir esses monumentos icônicos.

Com 64 quilômetros de extensão, este braço do rio corria ao lado do complexo de pirâmides de Gizé e outras maravilhas. Ele permaneceu enterrado sob o deserto e terras agrícolas por milênios. A existência deste antigo rio ajuda a explicar por que as 31 pirâmides foram construídas em uma cadeia ao longo do que hoje é uma faixa árida do deserto no Vale do Nilo, entre 4.700 e 3.700 anos atrás.

Esta área, próxima à antiga capital do Egito, Mênfis, inclui a Grande Pirâmide de Gizé – a última estrutura ainda de pé das sete maravilhas do mundo antigo – bem como as pirâmides de Quéfren, Quéops e Miquerinos. Arqueólogos há muito suspeitam que uma via fluvial próxima deve ter sido usada para mover os materiais gigantes para a construção das pirâmides. No entanto, como diz Eman Ghoneim, autor principal do estudo da Universidade da Carolina do Norte Wilmington, “Ninguém tinha certeza da localização, forma, tamanho ou proximidade dessa mega via fluvial em relação aos locais das pirâmides.”

Usando imagens de satélite por radar, a equipe de pesquisa internacional mapeou este braço do rio, nomeando-o Ahramat, que significa “pirâmides” em árabe. “O radar nos deu a capacidade única de penetrar a superfície da areia e produzir imagens de características ocultas, incluindo rios enterrados e estruturas antigas,” disse Ghoneim. Levantamentos de campo e amostras de núcleo de sedimento confirmaram a presença do rio, conforme detalhado no estudo publicado na revista Nature.

O rio, uma vez uma força poderosa, foi gradualmente coberto de areia, possivelmente começando há cerca de 4.200 anos durante uma seca significativa.

As pirâmides de Gizé estavam situadas em um planalto a cerca de um quilômetro das margens do rio. Muitas pirâmides tinham uma “passarela cerimonial elevada” ao longo do rio, terminando nos Templos do Vale que serviam como portos. Segundo Ghoneim, isso indica que o rio desempenhou “um papel fundamental no transporte dos enormes materiais de construção e trabalhadores necessários para a construção das pirâmides.”

O mistério de como os antigos egípcios construíram estruturas tão maciças e duradouras intrigou historiadores por eras. Mover esses materiais pesados, principalmente do sul, “teria sido muito mais fácil flutuá-los rio abaixo” do que transportá-los por terra, disse Suzanne Onstine, coautora do estudo da Universidade de Memphis. Ela acrescentou que as margens do rio poderiam ter sido os pontos de recepção para os cortejos fúnebres dos faraós antes de seus corpos serem movidos para seu local de descanso final dentro das pirâmides.

O curso e o volume do rio provavelmente mudaram ao longo do tempo, explicando por que as pirâmides foram construídas em locais diferentes. “Os reis da quarta dinastia tiveram que fazer escolhas diferentes dos reis da décima segunda dinastia,” observou Onstine. “A descoberta me lembrou da conexão íntima entre geografia, clima, meio ambiente e comportamento humano.”

Inscreva-se no canal Mistérios do Mundo no YouTube

1 comentário

Rodney 17 de maio de 2024 - 16:21

As pedreiras estavam bem longe das margens do rio Nilo, e cada pedra pesa de 10 a 80Toneladas. Esse peso é inviável para o transporte por arraste e nenhuma carreta atual consegue levar esse peso pois as longarinas vão dobrar. Agora imagina o corte das pedras de granito como foi, se na época não existia o aço e sim o bronze… Precisariam de uma floresta de árvores de cedro só pra escorar as pedras…

Responder

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados