Mergulhador explorando o fundo do Buraco Azul registrou momentos finais assustadores antes de sua morte

por Lucas Rabello
0 comentário 2,5K visualizações

Um incidente trágico ocorreu no Buraco Azul, um renomado local de mergulho localizado a oito quilômetros ao norte de Dahab, no Egito, quando o instrutor de mergulho russo-israelense Yuri Lipski perdeu a vida durante uma expedição subaquática. O Buraco Azul, notório entre a comunidade de mergulhadores e frequentemente referido como o ‘cemitério dos mergulhadores’, é uma dolina marinha com 100 metros de profundidade que atrai mergulhadores do mundo todo devido à sua arquitetura subaquática única.

Yuri Lipski, aos 22 anos, embarcou em sua fatídica jornada ao Buraco Azul em abril de 2000, com o objetivo de explorar suas profundezas, particularmente o arco que se encontra no fundo da dolina. Antes de seu mergulho, Lipski teve uma conversa com Tarek Omar, um instrutor de mergulho experiente familiarizado com os perigos do Buraco Azul. Omar, ciente dos desafios e riscos associados ao mergulho em tais profundidades, aconselhou Lipski sobre a necessidade de passar por um treinamento especializado. “Eu disse ‘OK, então você precisará de duas semanas de treinamento comigo primeiro, e depois filmaremos'”, Omar relatou à Scene Arabia.

Apesar do aviso, Lipski, limitado pelo tempo com apenas alguns dias disponíveis em Dahab, decidiu prosseguir com o mergulho sem a preparação recomendada. Ele embarcou no mergulho solo equipado com uma câmera de vídeo destinada a documentar sua experiência.

O mergulho tomou um rumo trágico quando Lipski experimentou uma descida descontrolada, mergulhando a uma profundidade estimada de 91 metros. As imagens capturadas por Lipski ilustraram a alarmante transição da luz para a escuridão à medida que ele descia mais nas profundezas do Buraco Azul. Em tais profundidades extremas, os mergulhadores correm o risco de narcose por nitrogênio, uma condição que pode induzir alucinações e prejudicar o julgamento, representando perigos significativos em ambientes subaquáticos.

A tarefa de recuperar o corpo de Lipski coube a Omar, que realizou inúmeras missões de recuperação no Buraco Azul devido à sua notória reputação. Omar descreveu o processo de recuperação de corpos como complexo e desafiador, exigindo expertise além das habilidades técnicas de mergulho. “Recuperar corpos é algo caso a caso; eu faço isso pro bono. É uma coisa muito crítica e difícil de fazer – requer mais do que apenas ser um mergulhador técnico, leva mais do que experiência. É muito difícil porque você mergulha profundamente e permanece lá embaixo para localizar os restos”, disse Omar à Scene Arabia.

Assista no YouTube (conteúdo pode ser impactante para algumas pessoas)

Notavelmente, a câmera presa a Lipski permaneceu operacional apesar das condições extremas, e as imagens que continha desde então serviram como um lembrete contundente dos riscos inerentes às expedições de mergulho solitárias, especialmente em locais tão perigosos quanto o Buraco Azul.

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados