Como uma única mordida nesta refeição pode causar câncer de fígado

por Lucas Rabello
Publicado: Atualizado em 8,1K visualizações

No coração da região de Isaan, na Tailândia, um prato local favorito, o koi pla, está sob escrutínio, mas não pelos seus sabores tentadores. Esta iguaria, uma mistura de peixe cru, ervas, especiarias e um toque de limão, pode parecer o sonho de um amante da gastronomia, mas esconde um segredo sombrio. A refeição barata e adorada está ligada a um aumento alarmante nos casos fatais de câncer de fígado, transformando este prazer culinário em uma potencial sentença de morte. Aliás, se você tiver azar, uma única mordida de koi pla é o suficiente para causar câncer mais tarde.

O Dr. Narong Khuntikeo, um cirurgião hepático com uma vingança pessoal contra esse prato devido à perda de seus pais para o câncer de ducto biliar (oficialmente conhecido como colangiocarcinoma), está liderando a investida contra o koi pla. Sua arma escolhida? Educação. Ele está reunindo um grupo de profissionais médicos para levar a batalha até a porta de Isaan, equipados com máquinas de ultrassom e testes de urina, com o objetivo de revelar o assassino silencioso que se esconde no prato favorito dos locais.

O culpado por essa crise de saúde não é o peixe em si, mas o que está se escondendo dentro dele – os trematódeos hepáticos. Esses vermes parasitas são notórios por se estabelecerem no fígado humano, eventualmente levando ao câncer. Com o amor de Isaan pelo koi pla, os trematódeos hepáticos se tornaram um ingrediente indesejado em muitas dietas, catapultando as taxas de câncer de fígado na região para mais da metade de todos os diagnósticos de câncer em homens, um contraste gritante com a média global de apenas 10%.

O Rio Mekong, uma fonte vital de água para Isaan, também serve como área de caça para o peixe usado no koi pla. É também um parque de diversões para os trematódeos hepáticos, tornando cada mordida do prato cru uma aposta arriscada. Apesar disso, a tradição de comer koi pla é profunda, com muitos locais crescendo com o prato, inconscientes do perigo que ele representa.

A missão do Dr. Narong é tanto sobre educação quanto sobre intervenção. Ele está em uma busca para mudar a maré cultural, encorajando os locais a trocar a iguaria crua por uma versão cozida que mata a ameaça parasitária. Mas não é uma venda fácil. O lugar profundamente enraizado do koi pla na cultura de Isaan, juntamente com a preferência pela sua forma tradicional não cozida, torna a mudança uma pílula difícil de engolir para muitos, especialmente a geração mais velha.

O desafio é assustador. Koi pla é mais do que apenas comida; é uma parte da identidade de Isaan. Convencer as pessoas a alterar uma tradição centenária em nome da saúde é uma mistura complexa de respeito, compreensão e persistência. A abordagem do Dr. Narong é gentil, mas firme, visando iluminar em vez de alienar, na esperança de que o conhecimento capacite os locais a fazer escolhas mais saudáveis.

Enquanto essa batalha contra a tradição e os parasitas continua, o futuro do koi pla está em jogo. O prato amado de Isaan sobreviverá ao escrutínio, ou evoluirá para uma versão mais segura de si mesmo? Só o tempo dirá, mas uma coisa é certa: a luta pela saúde e bem-estar do povo de Isaan é uma causa pela qual vale a pena se mobilizar, um ultrassom e teste de urina de cada vez.

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados