Jim Carrey diz que há um filme que ele se arrepende de ter feito

por Lucas Rabello
0 comentário 7,K visualizações

Jim Carrey, um ícone tanto da comédia quanto do drama, possui uma extensa filmografia que abrange gêneros e décadas. Contudo, entre clássicos como O Grinch e O Show de Truman, um filme se destaca — não por sua aclamação, mas pelo arrependimento vocal de Carrey em relação à sua participação. O filme é Kick-Ass 2, uma sequência de 2013 onde Carrey interpreta o Coronel Estrelas, um ex-executor da máfia que se tornou vigilante.

O personagem de Carrey, Sal Bertolinni, também conhecido como Coronel Estrelas, é um ex-assassino que empunha um taco de beisebol e que adotou o cristianismo. Apesar de entregar uma atuação consistente com sua reputação, Carrey se distanciou do filme após uma tragédia nacional, o Massacre de Sandy Hook, que ocorreu apenas um mês após ele completar as filmagens. Este evento viu um atirador tirar a vida de 26 pessoas na Escola Primária de Sandy Hook, em Connecticut.

Na sequência dessa tragédia, Carrey tomou uma posição. “Eu fiz Kick-Ass um mês antes de Sandy Hook e agora, com toda a consciência, não posso apoiar esse nível de violência”, declarou ele no X (antigo Twitter) em junho de 2013. Ele acrescentou: “Quero dizer minhas desculpas a outros envolvidos com o filme. Não estou envergonhado dele, mas os eventos recentes provocaram uma mudança no meu coração.”

A renúncia pública de Carrey à violência do filme gerou um debate. Mark Millar, o escritor escocês de quadrinhos e produtor executivo de Kick-Ass 2, expressou confusão e discordância com a crítica de última hora de Carrey. “Estou perplexo com esse anúncio repentino, pois nada do que se vê neste filme não estava no roteiro 18 meses atrás”, Millar respondeu em uma postagem de blog. Ele defendeu o conteúdo do filme, enfatizando que a sequência de um filme tão cru como Kick-Ass, famoso por sua personagem Hit Girl, naturalmente continuou em uma veia semelhante. “Sim, a contagem de corpos é muito alta, mas um filme chamado Kick-Ass 2 realmente tem que fazer jus ao seu nome”, argumentou ele.

Millar também destacou a diferença entre a violência real e sua representação no cinema: “Como Jim, estou horrorizado com a violência na vida real (embora eu seja escocês), mas Kick-Ass 2 não é um documentário.” Ele continuou justificando a representação artística da violência, traçando paralelos com diretores renomados como Quentin Tarantino, Martin Scorsese e Oliver Stone. “Nosso trabalho como contadores de histórias é entreter, e nossa caixa de ferramentas não pode ser sabotada ao restringir o uso de armas em um filme de ação”, Millar afirmou, defendendo o direito do cineasta de explorar tais temas.

Esse desacordo destacou um diálogo complexo sobre as responsabilidades dos cineastas na representação da violência, o impacto de eventos do mundo real em expressões artísticas e os conflitos morais que podem surgir mesmo após a conclusão de um filme. Enquanto Carrey expressou sua mudança de coração devido a uma reação pessoal a um evento da vida real, Millar manteve que a essência da narrativa deve permanecer inalterada por circunstâncias externas, focando-se em vez disso nas consequências da violência, em vez de sua glorificação.

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados