O que tem no fundo do Grande Buraco Azul de Belize?

por Lucas Rabello
4,6K visualizações

O Grande Buraco Azul, localizado aproximadamente a 96 quilômetros da costa de Belize, é um fenômeno natural notável. Este sumidouro marinho, que começou como uma caverna seca, foi submerso milhares de anos atrás devido ao aumento dos níveis do oceano. Sua transformação de uma caverna terrestre para uma maravilha subaquática capturou o interesse de exploradores e cientistas. Com um formato circular, o buraco tem aproximadamente 300 metros de diâmetro e 124 de profundidade.

O Grande Buraco Azul ganhou reconhecimento internacional graças aos esforços do renomado explorador Jacques Cousteau. Suas explorações trouxeram esse local único à atenção da comunidade de mergulhadores, transformando-o em um destino popular para aqueles que buscam aventura e descoberta. O encanto do Grande Buraco Azul reside em seu tamanho imenso e nos mistérios que guarda sob sua superfície.

Mergulhar no Grande Buraco Azul revela um mundo tão fascinante quanto traiçoeiro. As profundezas do sumidouro já reivindicaram a vida de mergulhadores. Entre as descobertas feitas em expedições estão não apenas os corpos de dois indivíduos, mas também uma GoPro e vários pedaços de lixo plástico que foram inadvertidamente deixados no abismo.

Foi decidido deixar os mergulhadores falecidos onde foram encontrados, considerando o fundo do Grande Buraco Azul um local de descanso apropriado.

Várias expedições foram realizadas para explorar as profundezas do Grande Buraco Azul, incluindo uma missão notável em dezembro de 2018, onde um par de submarinos aventurou-se em suas águas.

Durante essa expedição de 2018, os exploradores inicialmente encontraram um ecossistema aquático vibrante. As camadas superiores do Grande Buraco Azul estão repletas de vida marinha, oferecendo um rico tapete de flora e fauna subaquáticas. No entanto, esse ambiente vivo muda abruptamente a uma profundidade de aproximadamente 90 metros, onde existe uma camada de sulfeto de hidrogênio. Abaixo dessa camada, a água torna-se muito mais escura e quase totalmente desprovida de vida.

Essa divisão acentuada cria uma paisagem subaquática assombrosa. Abaixo da camada de sulfeto de hidrogênio, só podem ser encontrados os restos de vida marinha e de mergulhadores humanos. A ausência de luz solar e a natureza tóxica da água nesta zona a tornam inóspita para a maioria das formas de vida. As imagens de drones subaquáticos da expedição capturaram vividamente esse contraste, revelando a diferença acentuada entre o ecossistema vibrante acima e o ambiente sombrio e sem vida abaixo.

A expedição de 2018 também registrou descobertas significativas, incluindo a identificação de camadas de silte no fundo do Grande Buraco Azul. Embora o silte possa não parecer extraordinário, essas camadas contêm informações históricas valiosas. Elas oferecem pistas sobre eventos climáticos importantes, como secas e tempestades, que coincidiram com períodos significativos na história humana. Notavelmente, as camadas de silte forneceram evidências das condições ambientais durante o colapso da civilização maia.

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados