Estamos prestes a ver a explosão de uma estrela brilhante depois de ter acontecido há 3.000 anos

por Lucas Rabello
Publicado: Atualizado em 436 visualizações

O espaço é incrivelmente vasto, e esta semana algo incrível está prestes a acontecer. Imagine isto: uma explosão que ocorreu há 3.000 anos finalmente está chegando aos nossos olhos agora. É assim que o espaço é imenso! Como a luz leva tempo para viajar, só estamos vendo este evento cósmico agora, mesmo que tenha acontecido há muito tempo.

A NASA diz que estamos prestes a testemunhar uma explosão de nova, que será visível de agora até setembro. Uma nova, a propósito, não deve ser confundida com uma supernova. Enquanto uma supernova é a morte dramática de uma grande estrela, uma nova é uma explosão rápida e breve de uma estrela anã branca. Neste caso, a anã branca não explode completamente, mas continua a liberar material ao longo de milhares de anos. E não se preocupe, a Terra está a uma distância segura.

A estrela que está proporcionando este espetáculo é a T Coronae Borealis, também conhecida como a Estrela Flamejante. Esta estrela, parte de um sistema binário na constelação de Corona Borealis, consiste em uma gigante vermelha e uma anã branca. Estas duas estrelas têm um relacionamento explosivo. A gigante vermelha perde suas camadas externas à medida que esquenta, e esse material cai na anã branca. Com o tempo, isso faz com que a atmosfera da anã branca esquente até atingir o ponto de ebulição, desencadeando uma ‘reação termonuclear descontrolada’ – uma explosão de nova.

A Dra. Rebekah Hounsell, especialista em eventos de nova no Centro de Voos Espaciais Goddard da NASA, explica que este evento é uma oportunidade de ouro. “É um evento único na vida que criará muitos novos astrônomos, dando aos jovens um evento cósmico que eles podem observar por si mesmos, fazer suas próprias perguntas e coletar seus próprios dados”, diz ela. Por alguns dias, a T CrB brilhará tanto que poderá ser vista a olho nu, quase como se uma nova estrela estivesse aparecendo no céu noturno.

A Estrela Flamejante explode aproximadamente a cada 80 anos. A primeira explosão registrada data de 1217. Então, não é apenas uma estrela qualquer – é uma performer recorrente. Se você tem um telescópio, este é o seu momento. E mesmo que não tenha, basta olhar para cima. Você pode vislumbrar este evento extraordinário.

Para todos os astrônomos amadores, é hora de se preparar. Limpe seus telescópios, pegue seus binóculos ou simplesmente encontre um lugar escuro longe das luzes da cidade. Esta é sua chance de testemunhar algo espetacular e fazer parte de um evento cósmico que não acontece com frequência.

Nova vs supernova

A diferença entre uma nova e uma supernova é significativa tanto em escala quanto em impacto. Uma nova ocorre quando uma anã branca em um sistema binário acumula material de sua estrela companheira, geralmente uma gigante vermelha. Este material se acumula na superfície da anã branca, aquecendo-se até desencadear uma reação termonuclear. Essa explosão resulta em um aumento repentino e temporário no brilho da anã branca, mas a estrela sobrevive ao evento e pode passar por múltiplas explosões novas ao longo de sua vida.

Por outro lado, uma supernova é um evento muito mais cataclísmico e raro. Existem dois tipos principais de supernovas: Tipo Ia e Tipo II. A supernova Tipo Ia ocorre em sistemas binários semelhantes às novas, mas com um acúmulo de material muito maior, levando a uma explosão completa da anã branca. A supernova Tipo II acontece quando uma estrela massiva, pelo menos oito vezes a massa do Sol, esgota seu combustível nuclear e colapsa sob sua própria gravidade, resultando em uma explosão colossal. Esta explosão dispersa elementos pesados pelo universo e pode deixar para trás uma estrela de nêutrons ou um buraco negro.

A principal diferença entre esses eventos está na magnitude da explosão e nas consequências para a estrela envolvida. Enquanto a nova é um evento repetitivo e menos destrutivo, permitindo que a anã branca sobreviva, a supernova é um evento terminal que marca o fim da vida de uma estrela. Além disso, as supernovas desempenham um papel crucial na distribuição de elementos pesados pelo cosmos, essencial para a formação de novos sistemas estelares e planetas, incluindo aqueles capazes de sustentar vida.

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados