Costa Concordia: O desastre com o cruzeiro no Mediterrâneo

por Lucas Rabello
692 visualizações

Em 2012, o mundo assistiu em choque ao trágico fim do Costa Concordia, um grandioso navio de cruzeiro. Este desastre, um dos mais infames da história marítima, chocou o globo com sua mistura de erro humano, heroísmo e perda devastadora.

O Costa Concordia era uma maravilha quando fez sua viagem inaugural em 2005. Com 290 metros de comprimento, era o navio de cruzeiro mais longo da Itália e um símbolo de luxo e modernidade. Com espaço para 3.780 passageiros e uma tripulação de 1.100 pessoas, era uma cidade flutuante, completa com o maior spa já visto em um navio. A embarcação passava seus dias navegando pelo Mediterrâneo, oferecendo aos passageiros um gostinho da vida de alto padrão.

No entanto, em 13 de janeiro de 2012, tudo mudou. O navio, sob o comando do Capitão Francesco Schettino, partiu de Civitavecchia, perto de Lazio, para um cruzeiro de sete dias. Apenas algumas horas após o início da viagem, o navio se aproximou da Ilha de Giglio. Isso não fazia parte da rota planejada. Em vez disso, foi um desvio destinado a proporcionar aos passageiros uma visão mais próxima da ilha e realizar uma saudação marítima — um toque de buzina para os locais.

Um enorme buraco foi deixado na lateral do Costa Concordia

Um enorme buraco foi deixado na lateral do Costa Concordia

Essa aparente e inocente alteração provou ser catastrófica. Ao se aproximar da ilha, o navio encontrou uma formação rochosa. Schettino ordenou uma correção de curso, mas devido a uma suposta barreira linguística com o timoneiro indonésio, o navio virou na direção errada. Em apenas 13 segundos, o erro foi percebido, e a proa do navio desviou. No entanto, a popa bateu no recife, rasgando um buraco de 53 metros no lado esquerdo da embarcação.

A água inundou o Costa Concordia, cortando a energia e deixando o navio sem direção. A posição do leme e o vento empurraram o navio em direção à costa da ilha. Dentro, o caos se instalou. O Capitão Schettino minimizou a gravidade da situação para a guarda costeira italiana, inicialmente alegando que era apenas um blecaute. Às 22h14, ele admitiu que o navio estava afundando. Às 22h39, o primeiro navio de resgate chegou, e os botes salva-vidas começaram a ser lançados. Apesar disso, Schettino abandonou o navio às 23h20, alegando mais tarde que havia caído em um bote salva-vidas.

Enquanto a tripulação do Costa Concordia começava a evacuar, 300 passageiros permaneciam no navio que afundava. Às 00h40, um oficial da guarda costeira ordenou que Schettino, que estava em um bote salva-vidas, retornasse e supervisionasse a evacuação. Ele se recusou. Felizmente, uma operação de resgate em grande escala estava em andamento. Pela manhã, 4.194 pessoas foram evacuadas para a Ilha de Giglio, e mergulhadores salvaram mais três pessoas do navio no dia seguinte.

Costa Concordia

Tragicamente, 32 pessoas perderam a vida no desastre, incluindo um membro da equipe de resgate. O corpo do último passageiro só foi recuperado em novembro de 2014. As consequências viram o Capitão Schettino e vários membros da tripulação serem acusados de múltiplos crimes, incluindo homicídio culposo. Em 2016, Schettino foi condenado por todas as acusações e sentenciado a mais de 16 anos de prisão. Ele apelou duas vezes, mas ambas as apelações foram negadas.

A operação de resgate e recuperação do Costa Concordia foi uma das mais complexas e caras da história marítima. O navio permaneceu parcialmente submerso por mais de dois anos antes que pudesse ser removido. A operação de reflutuação, conhecida como “parbuckling” (vídeo abaixo), começou em setembro de 2013 e foi concluída com sucesso em julho de 2014. Esta operação envolveu o uso de enormes ta nques de flutuação e cabos de aço para endireitar e levantar o navio.

Após ser reflutuado, o Costa Concordia foi rebocado para o porto de Gênova, onde foi desmontado e reciclado. O processo de desmantelamento levou quase três anos para ser concluído, terminando em julho de 2017. Aproximadamente 80% do navio foi reciclado, incluindo metais, madeira e outros materiais.

O desastre do Costa Concordia não foi apenas uma tragédia humana, mas também econômica. Os custos totais associados ao naufrágio foram estimados em 2 bilhões de dólares. A Costa Cruises ofereceu compensação de até 11.000 dólares por passageiro, oferta aceita por cerca de um terço deles.

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados