A história real de jovem elogiada como ‘exército de uma mulher’ por matar mais de 100 nazistas com técnica inteligente

por Lucas Rabello
0 comentário 975 visualizações

Nascida em Leningrado, Rússia, em fevereiro de 1926, a vida de Zinaida Portnova tomou um rumo dramático quando a Alemanha Nazista invadiu a União Soviética. Com apenas 15 anos, ela morava com sua avó na região de Vitebsk quando soldados alemães, durante o processo de confisco de gado, agrediram sua avó. Esse incidente despertou um profundo ressentimento contra os nazistas em Portnova.

Logo depois, em 1942, ela se juntou ao movimento de resistência bielorrusso. As atividades iniciais de Portnova incluíam a distribuição de folhetos de propaganda soviética por toda a Bielorrússia ocupada pelos alemães. Ela não era apenas uma mensageira; também coletava armas escondidas para os soldados soviéticos e monitorava os movimentos das tropas alemãs. Mas ela estava pronta para fazer mais.

Seu papel na resistência se aprofundou à medida que ela aprendia a manusear uma arma. Portnova então participou de missões de sabotagem de alto risco, visando infraestruturas cruciais como uma estação de bombeamento, uma usina de energia local e uma fábrica de tijolos. Esses atos ousados contribuíram para a morte de cerca de 100 soldados alemães durante a guerra.

Talvez seu ato mais audacioso tenha sido quando ela se infiltrou nas cozinhas de Obo, onde trabalhava como ajudante de cozinha. Lá, ela envenenou a comida destinada a uma guarnição nazista. Quando os soldados adoeceram, a suspeita recaiu sobre ela. Para desviar a atenção e provar sua inocência, Portnova ousadamente comeu um pouco da comida envenenada na frente dos nazistas. Ela não mostrou sintomas imediatos, o que os convenceu temporariamente de sua inocência, permitindo que ela fosse liberada.

No entanto, os efeitos do veneno logo a atingiram, e ela começou a vomitar violentamente. Sua ausência no trabalho alertou os alemães, levando-os a deduzir seu papel no envenenamento. Uma vez capturada, Portnova se encontrou em uma situação desesperadora durante um interrogatório. Em uma reviravolta impressionante, ela conseguiu desarmar o detetive nazista que a interrogava e atirou na cabeça dele. Ela não parou por aí; também matou mais dois nazistas em sua tentativa de fuga.

Sua fuga a levou para a floresta, mas ela acabou sendo capturada perto das margens de um rio. Em 1944, Zinaida Portnova foi executada.

A história real de jovem elogiada como 'exército de uma mulher' por matar mais de 100 nazistas com técnica inteligente

Em plataformas de mídia social como X, sua história tem sido tema de muitas discussões. Os comentários refletem admiração e espanto, com uma pessoa escrevendo, “Ela foi realmente um exército de uma só mulher,” e outra acrescentando, “Isso sim é uma mulher incrível.”

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados