Você sabia? Essa é a razão pela qual temos medo do escuro

Crianças em geral têm muitos medos estranhos e específicos. As razões pelas quais alguém acabará desenvolvendo um medo durante a infância são diversas e complicadas – muitas coisas podem influenciar se uma criança se assusta com cães ou chora com o som do trovão, etc.

Todavia, há um medo que a maioria das pessoas experimenta em certo ponto da vida: o medo do escuro. E, ao contrário da maioria dos medos de infância, é algo de que muitas pessoas nunca deixam de ter.

Crianças são praticamente “programadas” para terem medo do escuro

Alguns medos são adquiridos com base em experiências de vida específicas; outros são mais universais e inatos. O medo da escuridão, que em formas extremas é conhecido como nictofobia ou aclaofobia, cai nessa última categoria. A razão: não é a escuridão em si que é assustadora. É o medo do que a escuridão mascara. O escuro nos deixa vulneráveis ​​e expostos, incapazes de detectar quaisquer ameaças que possam estar à espreita nas proximidades. Durante grande parte da história humana, a escuridão significava perigo e temê-la significava tomar precauções para permanecer seguro. Evolutivamente, isso foi uma grande vantagem.

Mas esse não é mais o caso – não há muito a temer quando passamos a noite em segurança em nossas camas – mas a escuridão, no entanto, manteve seu lugar em nossa psique como uma manifestação do aterrorizante desconhecido. O psicólogo Thomas Ollendick, diretor do Centro de Estudos Infantis da Virginia Tech University, disse à Live Science que esse medo na infância vem do medo do “inesperado”: ​​“Crianças acreditam em tudo que é possível imaginar”, disse ele. “Que no escuro, ladrões podem aparecer ou que elas podem ser sequestradas, ou alguém pode vir e levar seus brinquedos embora”. Nossos cérebros, em outras palavras, associaram a escuridão com o lado assustador das ilimitadas possibilidades.

É um medo preocupantemente comum entre os adultos também

À medida que envelhecem, as pessoas geralmente aprendem a desconsiderar esse vínculo na vida cotidiana. A escuridão pode elevar o fator assustador de uma nova situação, mas a maioria de nós acaba se tornando confortável o suficiente para apagar as luzes em suas próprias casas durante a noite. Mas nem todos: em uma pesquisa do Reino Unido em 2012, quase 40% dos entrevistados disseram que tinham medo de andar pela casa com as luzes apagadas. De fato, 10% disseram que nem sairiam da cama para usar o banheiro no meio da noite. E em um pequeno estudo, cerca de metade dos participantes que possuem problemas para dormir também admitiram ter medo do escuro, em comparação com apenas um quarto que consegue dormir bem, sugerindo que, em alguns casos, o medo pode ser potente o suficiente para causar insônia crônica.

Muito mais comum do que pensávamos ser

Mas a conexão com maus hábitos de sono também torna fácil confundir medo do escuro com outros medos ou uma forma de ansiedade mais geral. “Um indivíduo pode não conseguir adormecer quando está escuro e sua mente começa a vagar”, disse a autora do estudo, Colleen Carney, professora de psicologia da Ryerson University. “Eles pensam: ‘E se alguém invadisse minha casa?’ Ao invés de perceber que essas associações podem indicar um medo do escuro, eles pulam um passo e presumem que têm medo de ladrões”; Como outras fobias, Carney acrescentou, um intenso medo do escuro pode ser tratado através de terapia de exposição; a chave em primeiro lugar é reconhecê-lo.

O problema é que o gatilho é tão incrivelmente comum – e ao contrário do medo de cães, aranhas ou de pessoas se aproximando, é um medo quase impossível de conter: uma vez que as luzes se apagam, o medo se constrói e se espalha, se manifestando como um pavor ou fobia do que pode estar no quarto ou qualquer outra coisa que sua imaginação possa inventar.

[The Cut]

Comentários
Carregando...