Vencedores do Oscar precisam assinar acordo e seguir regra rígida após receber o prêmio

por Lucas Rabello
0 comentário 1,7K visualizações

A 96ª Cerimônia do Oscar contou com figuras notáveis como Cillian Murphy, Robert Downey Jr., Emma Stone e Da’Vine Joy Randolph entre seus vencedores, cada um recebendo a cobiçada estatueta do Oscar. No entanto, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas impõe uma restrição significativa sobre o que esses vencedores podem fazer com seus prêmios após a cerimônia. De acordo com a seção “regulamentos” no site do Oscar, os destinatários do prêmio não podem vender suas estatuetas sem aderir a uma condição específica estabelecida pela organização.

Essa regra estipula que, antes de qualquer venda, os vencedores devem primeiro oferecer a estatueta de volta à Academia pelo valor nominal de US$ 1,00. Esta política se aplica não apenas aos próprios vencedores, mas também se estende a quaisquer herdeiros ou cessionários que possam entrar na posse de um Oscar por meio de doação ou legado. Instituída em 1951, essa regulamentação busca prevenir a comercialização dos prêmios e manter seu valor simbólico.

A rigorosa política da Academia sobre a revenda dos Oscars levou a ações judiciais em casos passados onde essa regra foi violada. Um caso notável envolveu Joseph Tutalo, que leiloou um Oscar ganho por seu tio, Joseph Wright, em 1943 por US$ 79.200. A Academia posteriormente processou Tutalo e a casa de leilões por quebra de contrato, resultando em um juiz da Califórnia decidindo a favor da Academia. A decisão ordenou a devolução da estatueta à organização.

Apesar das diretrizes claras e das ações de fiscalização anteriores, houve exceções a essa regra. Em 1999, o ícone pop Michael Jackson comprou o Oscar de Melhor Filme concedido ao produtor David Selznick em 1939 por um valor recorde de US$ 1,5 milhão. Selznick, que faleceu em 1965, esteve postumamente envolvido em uma das transações de estatuetas do Oscar mais notórias.

A imposição dessa regra levanta questões sobre o valor e a significância dos prêmios Oscar, além de seu reconhecimento imediato de realizações cinematográficas. Reflete os esforços da Academia para preservar a integridade e o prestígio dos Oscars, garantindo que permaneçam símbolos de excelência artística e técnica na indústria cinematográfica, em vez de meros objetos de valor monetário. +

Se os vencedores recentes da 96ª Cerimônia do Oscar aderirão ou desafiarão essas regulamentações ainda está por ser visto, mas o legado dos Oscars como símbolos cobiçados de excelência cinematográfica perdura.

Deixar um comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados