Se você olhasse para essa coisa pessoalmente, você morreria na hora

Um monstro nasceu por conta do desastre de Chernobyl. Espreitando nas profundezas das ruínas do reator, o monstro é uma das coisas mais perigosas do mundo. Após o colapso, passar 5 minutos em sua presença traria uma morte certeira. Ainda hoje, o local irradia calor e morte, embora seu poder tenha se enfraquecido.

O desastre de Chernobyl aconteceu às 1:23h da manhã em 26 de abril de 1986, quando as barras de combustível nuclear extremamente quentes foram colocadas em água para o resfriamento, então criou-se uma enorme quantidade de vapor que, devido às falhas de projeto dos reatores, gerou mais reatividade no núcleo do reator número 4. O aumento da energia resultante causou uma explosão imensa que rompeu a placa de 1.000 toneladas que cobria o núcleo do reator, liberando radiação para a atmosfera e cortando o fluxo de refrigeração no reator. Poucos segundos depois, uma segunda explosão de potência ainda maior do que a primeira explodiu o reator, que expeliu grafite em chamas e outras partes do núcleo do reator em torno do local, iniciando uma série de incêndios ao redor do reator danificado o reator número 3, que ainda estava funcionando no momento das explosões.

Depois que os incêndios nucleares foram finalmente controlados, a equipe de funcionários trabalhou para conter os perigos invisíveis do núcleo falido de Chernobyl. O concreto embaixo do reator estava cozinhando, e foi aberto por lava solidificada e formas cristalinas desconhecidas denominadas como “chernobylites”. Com a ajuda de uma câmera remota, uma massa intensamente radioativa foi encontrada no porão da Unidade 4, com mais de dois metros de largura e pesando centenas de toneladas, isso eles chamaram de “Pata de Elefante” por sua aparência enrugada.

Veja as "Patas de Elefante" remanescentes do desastre nuclear de Chernobyl

O chamado pé de elefante (ou pata de elefante) é uma massa sólida feita de combustível nuclear derretido misturado com muitos e muitos materiais de vedação de concreto, areia e o núcleo que o combustível tinha derretido. Ele está localizado em no porão sob a localização original do núcleo. Em 1986, o nível de radiação no “pé de elefante” foi medido em 10.000 roentgens por hora, e qualquer pessoa que se aproximasse teria recebido uma dose fatal em menos de um minuto. Após apenas 30 segundos de exposição, tonturas e fadiga ainda eram sentidas uma semana depois. Dois minutos de exposição e as células do corpo em breve começarão a sofrer hemorragia; Quatro minutos: vômitos, diarreia e febre. Em 5 minutos você teria somente dois dias de vida.

Em maio de 1986, a construção começou no sarcófago – um gigantesco recinto de concreto construído para selar a radiação do mundo exterior. Mas não é totalmente selado: o sarcófago de Chernobyl foi equipado com pontos de acesso permitindo que os pesquisadores observem o núcleo e dar acesso para os trabalhadores entrar. O conteúdo do túmulo de Chernobyl permanecerá radioativo por pelo menos os próximos 100.000 anos. Todos os bombeiros e pessoas que trabalharam na construção do sarcófago morreram cerca de um ano após o evento.

Por que todas as fotos do desastre de Chernobyl parecem tão granuladas? Isso não é porque a tecnologia de fotografia na época da União Soviética estava atrasada. Isso se deve porque a radiação afeta o filme.

Como as fotografias foram tiradas com a radiação em níveis tão altos? A uma distância segura, os trabalhadores – ou “liquidatários” como eram chamados – manipularam uma câmera com rodas e a empurraram para o pé do elefante. Um exame cuidadoso determinou que não era tudo combustível nuclear. Na verdade, a massa consistia apenas em uma pequena porcentagem de combustível; O resto era concreto derretido, areia e blindagem do núcleo. Ao longo do tempo, o pé do elefante se decompôs. Ele virou poeira e sua superfície rachou. Mas durante anos permaneceu muito perigoso para se aproximar.

Por que a radiação é perigosa? As partículas emitidas a partir de átomos radioativos são uma forma de radiação ionizante – eles têm energia suficiente para revolver os átomos e as moléculas em que entraram colisão. A razão pela qual a radiação pode aumentar o risco de câncer é porque partículas destrutivas estão jogando um jogo mortal de rover vermelho em nossos corpos. Nosso DNA é composto por cromossomos – pacotes de bilhões de blocos de construção genética, de mãos dadas em uma corrente, com sequencias surpreendentemente precisas. Mas a radiação pode separar as mãos deles, destruindo ou alterando os vínculos que mantêm o DNA (e outras moléculas importantes) juntas. Com danos suficientes para os principais componentes, as células começam a funcionar de forma irregular, levando a efeitos potencialmente letais. Por exemplo, o dano pode fazer as células começarem a se reproduzir incontrolavelmente, causando câncer.

Quantas pessoas foram eventualmente afetadas pelo desastre? Mais de 7 milhões de pessoas foram afetadas. As áreas mais afetadas foram na Bielorrússia, Rússia e Ucrânia. No entanto, as ovelhas no norte da Inglaterra e as renas na Lapônia tiveram de ser mortas quando foram irradiadas.

Veja também: Mais do autor

Comentários

Carregando...