Um tardígrado foi encontrado com uma barriga cheia de material reluzente

Quando você coloca um tardígrado em um microscópio, você nunca sabe o que vai encontrar. Esses “ursos da água” de aparência estranha são algumas das criaturas mais magníficas do planeta e constantemente nos surpreendem. Mesmo depois de vê-los com seus próprios olhos, pode ser difícil descobrir o que diabos está acontecendo. [Tardígrados: esses são os seres mais resistentes do mundo]

O biólogo Rafael Martín-Ledo estuda a microfauna marinha como os tardígrados há anos e, recentemente, em uma margem coberta de musgo do rio Saja, no norte da Espanha, encontrou um que parece ainda mais estranho que as demais.

Usando a microscopia de contraste de fase, que destaca as mudanças no brilho e estruturas minúsculas, Martín-Ledo revelou um urso de água se contorcendo com um estômago cheio de luzes brilhantes.

Como a maioria das coisas sobre tardígrados, ninguém sabe o que está acontecendo aqui. Por enquanto, ainda é muito cedo para dizer o que é esse material iridescente, e muito menos de onde veio.

Ainda assim, Martín-Ledo tem uma sugestão. Ele postulou que o efeito cintilante é o resultado da aragonita, uma forma cristalina comum de carbonato de cálcio que é frequentemente vista nas conchas de animais marinhos.

E ele acha que pode ter vindo do tardígrado engolindo partes da própria boca.

Para entender como isso é possível, é importante conhecer um pouco sobre a anatomia de um tardígrado. Esses bichinhos minúsculos e enrugados de 8 patas têm longas bocas tubulares, que são armadas com um par de dentes semelhantes a cristais chamados de estiletes. Estes são usados ​​para perfurar plantas ou pequenos invertebrados, sugando os fluidos de suas presas.

A verdadeira chave aqui é que os estiletes de um tardígrado são feitas quase exclusivamente de aragonita e são substituídos somente quando o tardígrado passa por seu processo regular de troca.

Em suma, Martín-Ledo acha que a criatura pode ter acidentalmente engolido sua própria boca durante sua última muda.

Embora a possibilidade de canibalismo em tardígrados tenha sido flutuada por alguns, Martín-Ledo duvida que esses cristais tenham vindo de outro tardígrado.

“Os tardígrados que são predadores e se alimentam sugando os fluidos corporais de rotíferos, nematóides, ciliados, etc.”, explicou Martín-Ledo. “Então eu não acho que haveria qualquer possibilidade de comer outros tardígrados”.

Mas essa pode não ser a resposta também.

Kazuharu Arakawa, biólogo molecular da Universidade de Keio, no Japão, não acredita que o aparelho bucal possa ser consumido.

“O aparelho bucal é usualmente ejetado durante a muda, e o aparelho bucal tardígrado não permite o consumo direto de estruturas quitinosas”, disse ele. “Eles são otimizados para perfurar o exoesqueleto quitinoso e sugar o fluido corporal”.

Em vez disso, ele acha que se houvesse cristais de aragonita no intestino do tardígrado, provavelmente seria das algas ou bactérias que ele come.

Enquanto esperamos por respostas sobre este último mistério tardígrado, pelo menos ainda podemos admirar essas fotos incríveis.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.