Um homem solteiro adotou uma menina com síndrome de Down e ela se transformou em uma linda flor

Os pais biológicos de Alba a abandonaram no nascimento devido à sua condição. Agora ela desafia os estereótipos da paternidade junto com Luca e eles se acompanham em tudo.

Com apenas um mês de vida, Alba foi abandonada pelos pais biológicos. Esperando para ser adotada em um lar, ela foi rejeitada por 20 famílias. Tudo apontava para o fato de que a vida não seria fácil para a garotinha com síndrome de Down.

Em Nápoles, Itália, um jovem também passava por momentos difíceis. Apesar de ambos terem vivido experiências complexas, eles eram totalmente diferentes, mas um ponto importante mais tarde faria suas vidas se unirem.

Luca Trapanese tinha 14 anos quando seu melhor amigo Diego morreu de câncer terminal. Acompanhá-lo no desenvolvimento da doença fez uma importante mudança em sua maneira de ver a vida. “Sua morte me deixou com uma profunda consciência de como é viver com uma doença, e é por isso que comecei a me voluntariar para a Igreja em Nápoles, ajudando pessoas com deficiência”, relatou Luca.

instagram/trapaluca

Depois de se tornarem grandes amigos e viverem uma boa experiência, Luca pensou que poderia se tornar padre para continuar nesse caminho, ajudando outras pessoas. Mas se apaixonar o fez desistir dessa ideia. Com seu parceiro, eles fundaram uma organização para fornecer ajuda a pessoas com deficiência.

Em um livro, ele contou que com o companheiro sempre conversavam sobre a ideia de adotar e a ideia era acolher uma criança com deficiência para formar sua família. No entanto, após 11 anos de relacionamento, eles decidiram se separar. Solteiro, Luca queria seguir em frente com a ideia, embora naquela época não pudesse adotar na Itália.

Felizmente as coisas mudaram, e Luca não hesitou nem por um segundo em se candidatar ao processo. A princípio lhe disseram que a única chance de receber uma criança era adotar uma que ninguém queria. Ele aceitou a condição imediatamente porque “tinha as ferramentas necessárias para lidar com qualquer problema que uma criança pudesse ter”, escreveu.

Em julho de 2017, Luca finalmente pôde conhecer sua filha e tê-la em seus braços, e soube imediatamente que seriam inseparáveis. Esse bebê era Alba, uma menina de 18 meses com lindos olhos azuis e cabelos loiros. Depois de 20 tentativas frustradas de encontrar uma família, ela finalmente integraria uma cheia de amor.

instagram/trapaluca

Desde então, a dupla desafiou os estereótipos sobre a paternidade e o conceito de família na Itália. Luca é solteiro e gay e agora está completamente feliz com sua filha com Síndrome de Down que foi rejeitada por 20 famílias.

instagram/trapaluca

Mas eles aproveitam o máximo que podem e Luca continua a ajudar os outros. Sua conta no Instagram está cheia de fotos fofas de ambos.

instagram/trapaluca

Eles não se separam por um segundo!

 

 

buy metformin metformin online