Pular para o conteúdo
Um dos maiores aviões do mundo foi abandonado em uma praia. E virou atração

Um dos maiores aviões do mundo foi abandonado em uma praia. E virou atração

Um dos aviões mais incomuns do mundo – apelidado de ‘monstro do mar Cáspio’ – está abandonado em uma praia na Rússia, enquanto há planos de torná-lo um ponto turístico.

O MD-160 russo no estilo Guerra nas Estrelas foi projetado em 1975 e usado pelas União Soviética a partir de 1987 durante os últimos estágios da Guerra Fria como parte do programa WIG.

No entanto, após sua aposentadoria no final dos anos 90, o avião fortemente armado – que é maior que um Boeing 747 – foi deixado parado na base naval não utilizada de Kaspiysk.

Isto é, até 2020, quando o veículo ressuscitou dos mortos e foi rebocado pelo Mar Cáspio em uma jornada de 14 horas da base naval até Derbent, onde foi deixado em uma praia.

A incrível aeronave de 19 metros de altura e 73 de comprimento estava programada para ser exibida no Patriot Park, na república semiautônoma do Daguestão, na Rússia, mas o plano foi deixado de lado após imprevistos na missão.

Dada a sua aparência estranha, é difícil dizer se o monstro do Mar Cáspio é um avião ou um navio.

Bem, apesar de parecer um avião, o modelo é um ecranoplano, tornando-o uma tecnologia distinta que a Organização Marítima Internacional classifica como navios marítimos.

Um ecranoplano é projetado para atingir um vôo sustentado sobre uma superfície plana (geralmente sobre o mar) fazendo uso da interação aerodinâmica entre as asas e a superfície.

Ele usa uma almofada de ar sob suas asas para acelerar acima da superfície do mar a 4 metros, tornando-o essencialmente como um barco voador e muito difícil de ser detectado pelo inimigo.

O MD-160 é o único modelo de seu tipo a ser concluído e equipado com mísseis supersônicos destruidores de porta-aviões.

Portanto, não é surpresa que as autoridades de inteligência dos EUA tenham feito uma boa pesquisa no veículo, levando à descoberta de um documento secreto que detalhava as funções dos WIGs.

Isso incluiu detalhes do projeto, com alegações de que o MD-160 foi feito ‘para voar a velocidades de 200 a 250 nós (370 a 460 km/h) a cerca de 5 a 10 metros acima da superfície da água’.