Tradução de animais de estimação pode se tornar realidade

Em 2017, uma previsão de tendências futuras patrocinadas pela Amazon previu a chegada de um tradutor de bichos de estimação nos próximos 10 anos.

Conheça Con Slobodchikof, que atualmente está trabalhando em um algoritmo que poderia traduzir os sons e os movimentos corporais dos animais para o inglês. Con, professor emérito no Departamento de Ciências Biológicas da Universidade do Norte do Arizona, passou décadas investigando cães-da-pradaria. Sua conclusão: esses roedores da América do Norte se comunicam usando uma linguagem sofisticada composta por variações de sons e barulhos diferentes.

Cães-da-pradaria

De acordo com Con, os cães-da-pradaria fazem barulhos diferentes para alertarem entre si sobre o tipo e o tamanho de um predador potencial. Sua linguagem é tão sofisticada, diz ele, que eles podem especificar a cor das roupas de uma pessoa.

Cor já desenvolveu uma ferramenta que converte os sons de um cão-da-pradaria em uma linguagem que os humanos podem entender. Agora, ele espera fazer o mesmo com os animais com os quais interagimos diariamente – nossos animais de estimação.

“Eu pensei: se podemos fazer isso com cães-da-pradaria, certamente podemos fazer com cães e gatos”, disse Cor ao NBC News.

Apesar da sua reputação de grandes “bobões”, estudos mostraram que caninos são muito bons em entender – e até mesmo manipular – seus proprietários. Depois de séculos de convivência, o melhor amigo do homem pode ler seu humor – um fato que muitos proprietários de animais de estimação concordam. Uma pesquisa recente também parece sugerir que cães podem entender a linguagem humana e até mesmo mostrar sinais de “ler entre as linhas”. Mas não há dúvida de que a tecnologia poderia tornar a comunicação de humano a animal muito mais fácil.

A empresa de Cor, Zoolingua, já começou a armazenar milhares de vídeos de cachorros “comunicando-se” através da linguagem corporal e vocalização. Estes serão posteriormente alimentados em um algoritmo que traduz as expressões faciais, movimentos do corpo e sons de animais de estimação para o inglês.

Há um pequeno problema apenas: o algoritmo depende dos seres humanos para interpretar a “linguagem” animal, um fato que pode ser problemático porque tendemos a antropomorfizar os animais. Para contornar isso, Cor usará o crescente corpo de pesquisas científicas que usam experiências cuidadosas – não adivinhação – para determinar o significado de movimentos e sons de um animal. O resultado final, diz ele, é um tradutor de animais de estimação que decodificará literalmente o latido de um cão (ou o miar de um gato) em inglês, como “quero comer agora” ou “quero passear”.

E, quem sabe, um dia não chegue a esse ponto:

[IFL Science]

Comentários
Carregando...