Técnica em ultravioleta revela como eram as cores das estátuas da Grécia Antiga

“Elas tinham cor no passado?” Essa pergunta frequentemente está entre as coisas mais ousadas ditas por crianças, ou pelo menos crianças que aprenderam um pouco sobre a história, mas não a história da fotografia. Mas mesmo as crianças que se envolvem seriamente em histórias e imagens do passado podem se agarrar ao equívoco, dado o tempo que o tempo monocromou os artefatos de civilizações anteriores. Por mais que esses jovens tenham aprendido com idas aos museus para ver, por exemplo, estátuas gregas antigas, eles não saíram com uma impressão precisa de como elas realmente eram quando foram criadas.

Pesquisas ao longo da última década começaram a mudar isso. “Para nós, antiguidade clássica significa mármore branco”, escreve Matthew Gurewitsch, da revista Smithsonian. “Não é assim para os gregos, que pensavam em seus deuses vivos e os retratavam dessa maneira também. Os templos que os abrigavam eram em cores também, como cenários poderosos. O tempo tirou a maior parte das cores. Mas hoje, a combinação certa de inspeção com luz ultravioleta e espectroscopia de raios-X e infravermelho tornou possível descobrir as cores com as quais essas estátuas aparentemente incolores chamaram a atenção.

Entra em cena o arqueólogo alemão Vinzenz Brinkmann, que, “armado com lâmpadas de alta intensidade, luz ultravioleta, câmeras, moldes de gesso e potes de caros minerais em pó”, “passou o último quarto de século tentando reviver a glória que era a Grécia”, criando cópias de gesso ou mármore em escala real pintadas à mão nos mesmos pigmentos minerais e orgânicos usados pelos antigos: verde de malaquita, azul de azurita, amarelo e ocre de compostos de arsênico, vermelho de cinábrio, preto de osso queimado e videira.”

Veja alguns exemplos incríveis abaixo:

você pode gostar também
buy metformin metformin online