Tabela ancestral misteriosa pode revelar mais informações sobre o misterioso “Povo do Mar” do Egito

Um dos mistérios duradouros da história egípcia é a identidade do “povo do mar”, uma civilização desconhecida (ou talvez múltiplas civilizações) que teria navegado por todo o Mediterrâneo durante a Idade do Bronze, causando estragos no antigo Egito, Anatólia, Síria, Canaã, Fenícia e outros territórios.

As inscrições e esculturas que retratam esses misteriosos invasores foram encontradas pela primeira vez em túmulos egípcios ao redor de Luxor em 1855, mas os egiptólogos e os historiadores ainda não estão seguros de quem essas pessoas poderiam ter sido ou se existiram de fato. Ainda assim, numerosos artefatos arqueológicos foram encontrados retratando uma misteriosa civilização que tomou conta do mar.

 

 Graças à ajuda de alguns historiadores persistentes, os pesquisadores podem estar um pouco mais perto de responder a essas perguntas. Fred Woudhuizen e Eberhard Zangger passaram anos estudando uma antiga inscrição que está escrita em Luwian, uma língua indo-europeia inoperante, que apenas algumas dúzias de estudiosos são capazes de ler. De acordo com Woudhuizen e Zangger, a inscrição descreve um reino chamado Mira, localizado no que é agora a parte ocidental da Turquia, que governou a lendária cidade de Troia. A inscrição detalha como o líder de Mira, o rei Kupantakuruntas, enviou o príncipe troiano Muksus para conquistar terras nativas. Isso poderia lançar luz sobre o mistério das pessoas do mar. Os pesquisadores publicarão suas descobertas em uma próxima edição do “Sea People?”. Procedimentos da Sociedade Arqueológica e Histórica Holandesa deixam essa questão aberta para os historiadores debaterem a vontade, a fim de chegarmos às evidências mais aprofundadas.

Embora encontrar pistas de uma antiga raça marítima seja fascinante, a história da inscrição em si é muito mais tentadora. A inscrição foi encontrada na propriedade de James Mellaart, um egiptólogo e arqueólogo que morreu em 2012. A tábua original em que a inscrição foi encontrada foi perdida na história, mas Mellaart possuía uma réplica dela.

Depois que Mellaart morreu, colegas encontraram instruções entre suas propriedades que diziam que a tábua deveria ser decifrada o mais rápido possível após sua morte. Mellaart escreveu que a cópia da inscrição foi feita em 1878 em uma aldeia remota turca com poucos moradores, quando destruíram a pedra original para usar como materiais de construção para uma mesquita.

Mellaart publicou alguns artigos e capítulos de livros sobre a inscrição, mas não conseguiu decifrar completamente antes de sua morte. Alguns estudiosos até questionam sua legitimidade. Isso poderia ser um antigo tesouro antigo e perdido em um canto esquecido da história?

[Mysterious Universe]

Comentários
Carregando...