fbpx

“Sarcófago” da usina de Chernobyl será removido, já que está à beira do colapso

O acidente da Usina Nuclear de Chernobyl é amplamente considerado o maior desastre nuclear de todos os tempos.

Em 26 de abril de 1986, o núcleo de um reator nuclear na usina foi aberto durante um teste de segurança de rotina, enviando plumas de material radioativo para o ar. A explosão e os incêndios subsequentes liberaram contaminação generalizada em toda a Europa, mas o local mais contaminado foi de longe o reator abatido nº 4, onde ocorreu o acidente.

Menos de dois meses depois do desastre, cerca de 600.000 trabalhadores de limpeza soviéticos entraram em ação para construir um “sarcófago”, ou cobertura maciça, ao redor do reator para prender materiais radioativos como o cório, o urânio e o plutônio.

O processo expôs muitos trabalhadores a níveis perigosos de radiação, e pelo menos 31 pessoas morreram de doença da radiação aguda.

A cobertura foi projetada para ser resistente – contava com 400.000 metros cúbicos de concreto e cerca de 7 milhões de quilos de aço – mas a construção foi feita às pressas. Enquanto os trabalhadores se esforçavam para conter o dano sem se machucarem, não conseguiram isolar as articulações do prédio.

Eles também deixaram aberturas nos tetos, o que permitiu que a água entrasse e a corrosão se instalasse.

Agora, todo o sarcófago tem que ser desmontado antes de desmoronar.

A empresa ucraniana que administra a central nuclear de Chernobyl disse em uma declaração on-line que as avaliações dos especialistas revelaram que o sarcófago tinha uma probabilidade “muito alta” de colapsar. Apenas a gravidade mantinha a estrutura presa aos blocos de suporte, disse a empresa.

Então, em 29 de julho, a empresa assinou um contrato de US$ 78 milhões com uma construtora para desmontar o sarcófago até 2023.

Os trabalhadores da construção terão que reforçar o sarcófago enquanto suas partes estão sendo desmontadas (com a ajuda de guindastes robóticos). As peças serão então limpas e enviadas para reciclagem ou descarte.

Mas qualquer radiação liberada provavelmente não irá para a atmosfera. Nos últimos nove anos, os trabalhadores construíram uma concha de 32.000 toneladas ao redor do sarcófago. Suas peças foram montadas na Itália, depois entregues ao canteiro de obras por meio de 18 aviões e 2.500 caminhões.

O escudo completo, conhecido como New Safe Confinement, foi lançado em sua localização final em 2016, quando se tornou o maior objeto terrestre já movido por seres humanos. Espera-se que ele mantenha a área confinada por mais um século, dando aos trabalhadores tempo suficiente para remediar o local e futuramente construir outro sarcófago.

Uma vez que o sarcófago tenha sido desinstalado, os trabalhadores começarão a tarefa gigantesca de limpar o lixo radioativo que ainda permanece no reator número 4.

O processo envolverá a aspiração de partículas radioativas e a limpeza da mistura de “lava” que se formou quando os trabalhadores soviéticos despejaram areia, chumbo e boro no reator em chamas.

Espera-se que todos os esforços durem até 2065.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.