Reconstrução facial nos permite ver como os cães eram 4.000 anos atrás

Pela primeira vez, a tecnologia de reconstrução facial encomendada pelo Historic Environment Scotland (HES) revela o rosto de um cão neolítico que uma vez andou com seus companheiros humanos há cerca de 4.000 anos.

O crânio do cão foi encontrado pela primeira vez há mais de um século em Cuween Hill, em uma ilha no arquipélago de Orkney, na Escócia. Construído entre 3.000 e 2.400 aC, o monte de pedras de quatro celas é um excelente exemplo de tumba de câmara neolítica usada para enterros antigos por algumas das primeiras comunidades agrícolas da região. Em 1901, 24 crânios de cães e seus ossos foram escavados da tumba junto com pelo menos oito humanos.

Modelo criado a partir do crânio do cão descoberto em Orkney. Historic Environment Scotland

Nas décadas que se seguiram, novas tecnologias como datação por radiocarbono mostraram que os ossos dos cães foram colocados na câmara mais de 500 anos após a construção da tumba, sugerindo que os cães desempenharam um papel importante na sociedade humana antiga e foram enterrados para fins ritualísticos.

“Assim como são estimados animais de estimação hoje, os cães claramente tinham um lugar importante em Orkney no passado distante, pois eram mantidos e treinados como animais de estimação e guardas, e talvez usados ​​por agricultores para ajudar a cuidar de ovelhas”, disse Steve Farrar, gerente de interpretação da HES.

Historic Environment Scotland
Historic Environment Scotland

Avancemos para 2019, quando os pesquisadores examinaram um dos crânios dos cães para fazer uma impressão em 3D. Isso foi então passado para a artista forense Amy Thornton, a fim de criar um modelo realista da cabeça, músculos, pele e pelos do cão – todos os quais são particularmente desafiadores. Thornton construiu uma escultura de argila a partir da impressão 3D usando métodos tradicionais e, em seguida, lançou-a em silicone, finalizando-a em um molde semelhante ao de um lobo cinzento europeu. Pesquisadores sugerem que o cachorro era do tamanho de um collie moderno.

Reconstruções de pessoas da era neolítica já foram feitas, mas o HES diz que esta é a primeira tentativa de reconstruir um animal.

“Olhar para este cão nos ajuda a entender melhor como as pessoas cuidavam e veneraram esses animais, pessoas cuja ingenuidade e sofisticação tornaram Orkney um lugar tão importante no Neolítico e que nos deixaram um legado tão rico em monumentos hoje”, disse Farrar.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.