Pular para o conteúdo
Por que você não deve empilhar pedras e o que fazer se as vir

Por que você não deve empilhar pedras e o que fazer se as vir

Você já caminhou até o topo de uma montanha, pela margem de um rio ou mesmo na orla da praia e encontrou uma pilha de pedras empilhadas?

Esses montes de pedra são chamados “cairns” e servem a uma variedade de propósitos, mas são mais comumente usados para marcar trilhas e guiar os caminhantes por rotas confusas ou desconhecidas. Na verdade, você pode encontrar montes de pedras em muitas trilhas conhecidas, como o Caminho de Santiago.

Embora os montes de pedras possam ser úteis para os caminhantes, eles também podem ser prejudiciais ao meio ambiente e potencialmente confusos para aqueles que não estão familiarizados com a área.

A palavra “cairn” vem do termo gaélico escocês para “pilha de pedras”. Os Cairns podem ser encontrados várias trilhas, geralmente em grupos, e geralmente são localizados por recursos específicos ou paradas para descanso. Algumas pessoas argumentam que os montes de pedras promovem um senso de comunidade entre os caminhantes e podem até ajudar aqueles com pouco senso de direção a encontrar o caminho.

No entanto, o Serviço Nacional de Parques dos EUA adverte que montes de pedras ornamentais podem desviar os caminhantes, pois eles podem não estar familiarizados com a área.

Um dos principais problemas com os cairns é que eles vão contra o princípio de “não deixar rastros”, o que significa que os caminhantes não devem perturbar ou alterar o ambiente natural. Ao mover pedras de um local para outro, os caminhantes podem acidentalmente perturbar as casas de pequenas criaturas que vivem abaixo delas.

Esta prática tem um impacto preocupante em zonas sensíveis para a conservação da natureza, pois existem diversas espécies, particularmente em zonas áridas, que dependem das condições microclimáticas associadas às pedras existentes nos seus habitats. Nas Ilhas Selvagens por exemplo, a maioria das pedras com mais de um palmo de diâmetro dão abrigo a uma ou mais osgas-das-Selvagens, uma espécie endémica e ameaçada de extinção.

As pedras isoladas criam condições especiais de temperatura e humidade que são importantes para várias espécies e a disposição das pedras influencia a dinâmica entre predadores e presas ou entre competidores. Por isso mover, retirar ou partir estas pedras pode provocar um desequilíbrio no ecossistema, explica Ricardo Rocha, autor de um estudo publicado na revista científica Human-Wildlife Interactions,

Além disso, mudar as pedras de lugar pode contribuir para a erosão do solo ou danificar os microhabitats de que plantas e animais precisam para sobreviver. Além disso, se uma rocha for movida e adicionada ao topo de um monte de pedras, pode causar o colapso de toda a estrutura.

O número crescente de cairns não autorizados causou confusão entre os caminhantes, com o departamento de Parques Nacionais afirmando que os caminhantes podem ser enganados por esses supostos sinais de navegação. É sempre uma boa ideia que os caminhantes carreguem ferramentas de orientação, como GPS ou mapas, para ajudá-los a navegar.

Acredita-se que a prática de construir montes de pedras tenha se originado com Waldron Batess em 1896. Bates era um entusiasta da manutenção de trilhas que escreveu um manual descrevendo os padrões adequados e construção de montes de pedras.

Se você se deparar com um monte de pedras durante uma caminhada, o Serviço de Parques Nacionais aconselha que você o deixe em paz e não o adultere de forma alguma, incluindo adicionar mais pedras a ele. Você também não deve ficar tentado a derrubá-lo, pois isso pode ser considerado vandalismo, o que é ilegal.