Pular para o conteúdo
Por que você jamais deve apoiar os pés no painel de um carro

Por que você jamais deve apoiar os pés no painel de um carro

É comum ver alguém com os pés no painel enquanto anda como passageiro de um carro, principalmente em viagens longas. No entanto, esse hábito pode ser extremamente perigoso em caso de acidente.

O Touring Club Suisse (TCS), um clube de mobilidade suíço, realizou um teste de colisão para demonstrar os perigos desse comportamento. Eles colocaram um manequim no banco do passageiro com os pés no painel e bateram o carro a uma velocidade de 64 km/h contra uma barreira fixa deformável.

Os resultados foram alarmantes. O TCS explicou que a posição elevada das pernas impede que o airbag proteja adequadamente o passageiro. Em vez disso, após o impacto, o airbag faz com que as pernas da pessoa sejam lançadas contra o tronco e a cabeça, resultando em ferimentos graves ou fatais no peito e na cabeça.

Mesmo sem o envolvimento do airbag, essa posição é perigosa porque o cinto de segurança não consegue manter o passageiro no lugar e ele pode escapar de sua proteção, levando a traumas faciais, fraturas de pernas e vértebras, lesões na coluna e outros.

Por que você jamais deve apoiar os pés no painel de um carro

Um policial do Reino Unido compartilhou um raio-X chocante de ferimentos “horríveis” sofridos por um passageiro do banco da frente que estava com os pés no painel no momento da colisão.

O ortopedista José Antônio Veiga Sanhudo explica ainda que, quando uma pessoa coloca o pé no painel, o quadril fica em posição de flexão. Após o impacto, o osso da coxa pode se desconectar da articulação, causando lesões graves. O nervo ciático, localizado nessa área, também costuma ser seriamente danificado, levando a problemas permanentes de movimento na perna.

Foi o caso da americana Audra Tatum, que foi parar nos noticiários após um acidente envolvendo os pés no painel. Embora o carro tenha se envolvido apenas em uma colisão em baixa velocidade, o airbag foi acionado e fez com que Tatum tivesse ossos quebrados no tornozelo direito, fêmur e braço, além de um nariz quebrado.

Com o acidente, Tatum passou por várias cirurgias e demorou mais de um ano para voltar a andar. A ex-enfermeira ficou com consequências permanentes, incluindo a incapacidade de levantar pacientes ou ficar em pé por longos períodos de tempo, levando-a a parar de trabalhar como enfermeira.