Por que pilotos de avião não comem a mesma refeição que os passageiros?

Além disso, piloto e co-piloto não comem a mesma refeição.

A última coisa que você um piloto quer sofrer a bordo de uma aeronave é uma intoxicação alimentar. É ainda pior quando se trata de uma refeição mal preparada com vários passageiros afetados. Já pensou centenas de passageiros precisando usar o banheiro ao mesmo tempo?

Felizmente, esse tipo de evento é escasso. Um exemplo disso ocorreu em um voo do Concorde em 1984, onde quase todos os passageiros a bordo (e vários comissários de bordo) contraíram salmonelose. 120 passageiros da British Airways contraíram o vírus e tiveram que ser tratados a bordo – um passageiro morreu de complicações. No entanto, os pilotos se saíram bem, não por que eles seguiram uma regra.

Acontece que até 1984 não havia regras sobre quais refeições os pilotos podiam ou não comer.

Outro exemplo foi um voo entre Tóquio e Paris em 1975, quando 143 dos 364 passageiros ficaram doentes com intoxicação alimentar. Os pilotos conseguiram evitar porque ainda haviam comido – por pouco. Embora ninguém tenha morrido no evento, o cozinheiro que preparou a refeição aparentemente tirou a própria vida nas trágicas consequências.

No entanto, hoje as coisas são diferentes.

Embora não exista uma regra escrita pelas autoridades de aviação, as companhias aéreas praticam boas práticas para diferenciar as refeições.

“Geralmente o piloto recebe a refeição da primeira classe e o copiloto a refeição da classe executiva. Isso é apenas para o caso de uma das refeições causar intoxicação alimentar.”

Algumas companhias aéreas vão além e preparam refeições separadas para os pilotos, co-pilotos e passageiros. Não apenas para proteger os comandantes, mas também para dar-lhes alguma variedade.

“As refeições para a tripulação são baseadas nas preferências individuais e nos requisitos do trabalho – as refeições não são as mesmas oferecidas aos passageiros, embora a seleção dos pratos quentes seja a mesma para a tripulação e os passageiros da classe executiva.”, disse um piloto da Aeroflot ao Traveller.com.au.

E isso pode ter salvo muitas vidas.

Mais recentemente, um relatório da Autoridade de Aviação Civil de 2010 sugeriu que entre 30 e 50 pilotos, operando voos de ou para um aeroporto do Reino Unido, ficam incapacitados nos controles todos os anos – muitos por causa de intoxicação alimentar. Ele destacou um incidente a bordo de um 747 que viu o capitão precisar de oxigênio e outro que resultou em um pouso de emergência em Málaga.

Algumas companhias aéreas também permitem que a tripulação traga sua própria comida – e muitos pilotos preferem confiar em suas próprias habilidades culinárias.

buy metformin metformin online