Por que os seios humanos são tão grandes?

Os seios vêm em diferentes formas e tamanhos, mas há uma coisa que intriga os cientistas há séculos: eles são únicos para os humanos. Mais de 5.000 espécies de mamíferos vivem nesse mundo. Todavia, o Homo sapiens é a única espécie com seios grandes. Alguns podem chamar essa anomalia humana de sexy, mas também levanta a questão: por que os seios humanos são tão grandes? Eles foram um erro evolutivo?

Todos os outros mamíferos desenvolvem seios temporários durante a ovulação ou amamentação, afinal de contas, o único objetivo é produzir leite. Então, quando o leite termina, os seios somem. Mas este não é o caso das mulheres humanas, cujos seios se formam durante a puberdade, e não durante a gravidez. Então, em algum momento da nossa evolução, algo mudou. Por quê?

Em 1987, o biólogo Tim Caro explorou sete teorias sobre esse assunto. Uma delas era que os seios facilitavam a amamentação dos recém-nascidos e dava às mães mais mobilidade para realizar múltiplas tarefas. Mas isso não explica por que os seios ficam ali depois que a fase de amamentação termina.

A ideia mais conhecida foi proposta por Charles Darwin e posteriormente explorada pelo zoólogo Desmond Morris em seu livro “The Naked Ape“. Nele, Morris afirma que os seios podem ter evoluído como um símbolo sexual para substituir a extremidade posterior inchada de outros primatas femininos durante a ovulação. Assim que nossos ancestrais começaram a andar eretos, os órgãos sexuais não eram mais tão óbvios para serem vistos. Assim, os machos não tinham uma maneira óbvia de saber quando uma fêmea estava sexualmente madura, e os seios grandes podem ter se formado como resultado. Essa teoria explicaria, pelo menos, por que os peitos de mulheres incham durante a puberdade, mas ainda não explica por que eles permanecem assim após a menopausa.

Vamos dar uma olhada mais de perto no seio humano. A grande diferença é que eles contêm mais gordura do que outros mamíferos femininos. A gordura preenche o tecido mamário, dando-lhe forma. Mais ou menos como leite, mas permanente. Seios humanos podem se tornar tão grandes que podem causar dores nas costas e no peito. É por isso que muitas mulheres fazem reduções de mama. Mas os seios não são apenas desconfortáveis ​​para algumas mulheres. Eles também podem ser mortais.

O câncer de mama é a causa número 1 de mortes relacionadas ao câncer em mulheres em todo o mundo. Afeta cerca de 1,5 milhão a cada ano e matou 570.000 em 2015. No entanto, até onde os cientistas podem dizer, o câncer de mama não é comum entre outros primatas. Isso pode ocorrer porque o risco de câncer aumenta com a idade, e outros primatas não vivem o suficiente para desenvolver câncer de mama. Ou talvez pudesse ter algo a ver com o tecido mamário permanente em si.

O câncer é mais comum em tecidos de divisão rápida. Toda vez que as células nascem e morrem, há uma oportunidade dentro do ciclo celular de cometer erros na reparação do DNA. E, essencialmente, uma célula com erros pode se tornar uma célula cancerosa. O tecido mamário se divide em um ritmo acelerado, por isso há uma maior oportunidade de haver erros. Isso pode explicar por que a remoção de ambos os seios reduz o risco de câncer de mama em pelo menos 95%.

Naturalmente, os seios estabeleceram seu lugar na cultura e na sociedade humana. Eles podem fazer as mulheres se sentirem desejadas, liberadas ou fortalecidas. E eles ajudaram a construir impérios inteiros com base simplesmente em seu poder de atração. Parece que, para melhor ou pior, os seios humanos estão aqui para ficar. [IFLScience]

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.