Pular para o conteúdo
Por que os arqueólogos estão com medo de abrir a tumba do 1° imperador da China?

Por que os arqueólogos estão com medo de abrir a tumba do 1° imperador da China?

Em 1974, agricultores na província de Shaanxi, na China, fizeram uma das descobertas arqueológicas mais significativas de todos os tempos quando eles acidentalmente encontraram o Exército de Terracota enquanto cavavam em um campo.

Os fragmentos que eles encontraram eram de uma figura humana feita de argila, mas escavações adicionais revelaram que o campo estava sobre uma série de poços que estavam repletos de milhares de figuras de terracota em tamanho real de soldados e cavalos de guerra, além de acrobatas, oficiais importantes e outros animais.

Essas figuras foram criadas para guardar o mausoléu de Qin Shi Huang, o formidável primeiro imperador da dinastia Qin que governou de 221 a 210 a.C. A missão desse Exército de Terracota era proteger o imperador na vida após a morte, e foram enterrados com ele em seu túmulo.

Apesar do grande interesse em torno do túmulo de Qin Shi Huang, ele nunca foi aberto. Arqueólogos têm hesitado em fazê-lo pois temem como a escavação pode danificar o túmulo, perdendo informações históricas valiosas. Atualmente, apenas técnicas arqueológicas invasivas podem ser usadas para entrar no túmulo, correndo um alto risco de causar danos irreparáveis.

Um dos exemplos mais claros disso foram as escavações da cidade de Troia na década de 1870 por Heinrich Schliemann. Em sua pressa e ingenuidade, seu trabalho conseguiu destruir quase todas as pistas da própria cidade. Os arqueólogos têm certeza de que não querem cometer os mesmos erros novamente.

Cientistas propuseram o uso de certas técnicas não invasivas para olhar dentro do túmulo. Uma ideia é usar muons, o produto subatômico de raios cósmicos colidindo com átomos na atmosfera da Terra, que podem olhar através de estruturas como um raio-x avançado. No entanto, essas propostas têm sido lentas para sair do papel, em parte devido aos desafios na desenvolvimento da tecnologia e ao alto custo de uma empreitada.

Armadilhas mortais

O Mausoléu do Primeiro Imperador Qin

O Mausoléu do Primeiro Imperador Qin. Crédito da imagem: Aaron Zhu/Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0)

Outro obstáculo potencial para abrir o túmulo é que dizem que ele está armadilhado com mecanismos mortais. Em um relato escrito pelo historiador chinês antigo Sima Qian cerca de 100 anos depois da morte de Qin Shi Huang, ele explica que o túmulo está cheio de “bestas e flechas” que foram projetadas para atirar em qualquer um que abrisse no túmulo. Além disso, o túmulo também teria sido preenchido com mercúrio líquido tóxico.

Isso pode parecer uma ameaça vazia, mas estudos científicos analisaram as concentrações de mercúrio ao redor do túmulo e encontraram níveis significativamente mais elevados do que o esperado em uma área de terra comum.

“Mercúrio altamente volátil pode estar escapando através de rachaduras, que se desenvolveram na estrutura ao longo do tempo, e nossa investigação apoia os registros crônicos antigos sobre o túmulo, que acredita-se nunca ter sido aberto/saqueado”, concluem os autores de um artigo de 2020 publicado na Nature.

Por enquanto, o túmulo de Qin Shi Huang permanece selado e não visto, mas não esquecido. A importância histórica do imperador e o potencial dos tesouros que podem ser encontrados dentro dele o tornam um dos sítios arqueológicos mais fascinantes e intrigantes do mundo.

Dada as possíveis ameaças e desafios na abertura do túmulo, pode levar algum tempo antes que possamos explorá-lo plenamente. No entanto, com a evolução da tecnologia e técnicas na área da arqueologia, é possível que um dia finalmente possamos mergulhar nos segredos que estão lá há mais de 2.000 anos.

De qualquer forma, o Exército de Terracota, os buracos dos guerreiros que foram descobertos, é uma realização notável e única da arte e tecnologia antiga, e sozinho é uma contribuição de uma representação única e grandiosa do antigo Império Chinês e seu governante.