Por que nossas unhas crescem até o dia em que morremos?

Com 20 semanas de vida no útero, os humanos repentinamente criam pequenos invólucros nas pontas dos nossos minúsculos dedos. No momento em que nascemos, nossos dedos das mãos e pés são coroados por unhas totalmente formadas que estarão conosco pelo resto de nossas vidas. Nas décadas seguintes, uma pessoa comum dedicará centenas de horas a cortar, pintar e cuidar cuidadosamente dessas estruturas. Mas além dessa dedicação à estética, poucos de nós refletem o propósito de nossas unhas.

Por que temos unhas e por que elas não param de crescer?

Por que nossas unhas crescem até o dia em que morremos?
Shutterstock

A maioria de nós sabe que as unhas são feitas de uma substância resistente e morta chamada queratina, o mesmo material que compõe o cabelo. Mas as unhas realmente começam como células vivas. Por trás das cutículas dos dedos das mãos e dos pés, logo abaixo da pele, uma estrutura chamada “raiz” produz células vivas que formam a unha. Também conhecida como matriz, esta pequena bolsa de carne se conecta aos vasos sanguíneos, que fornecem à unha os nutrientes necessários para produzir novas células.

À medida que as células de queratina se formam na raiz, elas são lentamente empurradas para frente por células recém-formadas disputando espaço atrás delas. Empurradas ​​para fora da pele e para o céu aberto, as células mais velhas se achatam e endurecem para formar o escudo resistente.

“A divisão contínua de células da matriz empurra a placa ungueal para a frente sobre o leito ungueal a uma taxa de cerca de 3 milímetros por mês para as unhas das mãos e 1 milímetro por mês para unhas dos pés”, disse Amanda Meyer, professora em anatomia humana na Universidade da Austrália Ocidental. Assim, em suma, “as unhas crescem porque as células estão sendo produzidas constantemente” – assim como a maioria das células do nosso corpo produz constantemente novas versões de si mesmas”, disse Meyer.

manicure
Imagem de Jill Wellington por Pixabay

Embora possam ser telas em miniatura perfeitas para manicures e se mostrarem úteis para ocasionais arranhões, qual é a verdadeira razão pela qual evoluímos essas intricadas estruturas que crescem incessantemente?

A resposta tem tudo a ver com a maneira como nossos ancestrais primatas se adaptaram à vida nas árvores, de acordo com Matthew Borths, da Divisão de Primatas Fósseis do Duke Lemur Center, na Carolina do Norte, EUA. O registro fóssil nos diz que os primatas, ou parentes próximos dos primatas, desenvolveram unhas em seus dedos entre 58 milhões e 55 milhões de anos atrás, quando os primatas estavam confinados às árvores. “Em geral, os primatas são bons em escalar árvores, e parece que a unha era originalmente uma característica que os ajudava a cumprir essa tarefa”, disse Borths.

Em comparação com outros animais, as unhas dos primatas são bastante amplas. “Dedos largos nos davam essa área de superfície maior para agarrar ramos”, disse Borths. Isso, por sua vez, deu aos nossos antepassados ​​um manuseio mais forte que os ajudava a atravessar a complexa rede arbórea de troncos e galhos de árvores que eles habitavam.

Alimentos

macacos
Imagem de Gerhard Gellinger por Pixabay

Quando se tratava de buscar comida, nossos dedos largos eram especialmente úteis. Pesquisadores observaram que, em comparação com outros animais que habitam as árvores, os primatas são particularmente bons em procurar por frutas nas bordas dos galhos, onde a comida é muito mais difícil de alcançar. “Ter esses dedos e unhas largas é uma maneira de realmente garantir seu controle sobre coisas realmente estreitas”, como galhos finos, onde manobras cuidadosas eram essenciais, disse Borths.

Pesquisadores afirmam que as unhas também têm uma função protetora evolutiva – trabalhando como escudos em miniatura que cobrem as pontas expostas dos dedos das mãos e dos pés. Nossos dedos estão repletos de milhares de nervos, que os transformam em ferramentas altamente sensíveis para detectar o mundo ao nosso redor. “Se você olhar para as regiões do cérebro que os primatas se comprometeram com o sentido do tato de seus dedos, em comparação com a quantidade de espaço no cérebro de um gato, os primatas têm muito mais espaço”, disse Borths.

O benefício de ter unhas crescentes

Mas, se as unhas são tão cruciais, por que elas não são feitas de algo mais permanente – como o revestimento do esmalte que protege nossos dentes? Em outras palavras, qual é o benefício de ter unhas que crescem?

Bem, pense desta maneira: se dermos uma martelada em nossa unha e a quebrar, não será uma catástrofe para nossos dedos sensíveis. “Uma unha constantemente crescente nos beneficia no fato de que o trauma ou o dano na unha será temporário, e as unhas podem se regenerar se forem retiradas”, disse Meyer. Depois de um pouco de reabilitação, nossos dedos importantes serão novamente protegidos.

Outra maneira de apreciar a importância do crescimento das unhas é entender que nossos corpos aderiram a essa adaptação, apesar do custo: o crescimento das unhas é um processo que exige muitos recursos porque absorve nutrientes que poderiam ser desviados para outras partes do corpo.

Mas o fato de que estamos cultivando unhas há milênios sugere que as vantagens devem valer esse custo considerável.

Então, da próxima vez que você tiver que cortar e lixar suas unhas, considere isso um privilégio – o que você está moldando é uma parte da evolução que liga a humanidade aos seus mais humildes primórdios. [LiveScience]

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.