Por que muitos aviões não tem a fileira 13?

por Lucas Rabello
698 visualizações

Ah, as peculiaridades dos céus! Imagine só: você está caminhando pelo corredor de um jato da United Airlines, contando as fileiras baixinho, e de repente—puf!—onde diabos foi parar a fileira 13?

Linda Jojo, uma voz da United Airlines, revelou esse fato curioso durante uma conversa sobre tornar os voos mais acessíveis com Braille. Porque, veja bem, em muitas de suas aeronaves, a fileira 13 é como aquele amigo que sempre desiste no último minuto. Simplesmente não está lá. Isso não é apenas uma peculiaridade em um ou dois aviões. Dê uma espiada em um Boeing 777-200, e as fileiras 13 e 14 sumiram. Airbus A319? As fileiras 12 a 14 entraram para o programa de proteção à testemunha. E se você está sonhando em relaxar na fileira 13 de um Airbus A320, bem, continue sonhando, amigo. E isso não se aplica somente à United, mas em muitas companhias aéreas ao redor do mundo.

Agora, antes que você comece a pensar que as empresas de aviação tem um caso de nervosismo com o número 13, calma lá. Não é tudo sobre superstição. Claro, o número 13 tem uma má reputação—mais sobre isso em um instante—mas as companhias aéreas têm outras prioridades, como garantir que a primeira classe se sinta de primeira classe, com espaço extra para as pernas e tudo mais. Então, em alguns modelos como o Boeing 737, algumas fileiras foram removidas para dar mais espaço para a primeira classe.

Mas não é só sobre os VIPs. Abandonar certos números de fileiras pode tornar a reserva de assentos menos confusa e ajudar a manter o número final de fileiras redondo e arrumado, como 30 ou 40.

Agora, de volta ao drama do número 13. Acontece que companhias aéreas como a Lufthansa e a Ryanair também escolherem por não usar a fileira 13. E veja só: algumas rotas evitam outros números que podem deixar os passageiros desconfortáveis. Voando para a Itália? Não procure pela fileira 17. E na China, 14 é o novo 13, então também está fora.

Mas nem todas as companhias aéreas estão jogando o jogo da superstição. A Delta, por exemplo, desfila seu Airbus A220-100 com uma fileira 13, sem suar. No Brasil, a Latam e a Azul não têm qualquer problema com o 13 em seus aviões, mas o mesmo não pode ser dito sobre a Gol.

Então, por que toda essa confusão sobre o 13? Não são apenas as companhias aéreas; até alguns hotéis ignoram o 13º andar. E casar no dia 13? Para alguns, isso é um grande não, especialmente se cair numa sexta-feira. Culpe Loki, o deus brincalhão nórdico que invadiu um jantar em Valhalla, ou Judas aparecendo como o convidado número 13 na Última Ceia.

E então tem a sexta-feira — historicamente não o melhor dia para figuras bíblicas, com Caim matando Abel e tudo mais. Some a isso a aparição do número 13 em trechos históricos pouco animadores, como o número tradicional de degraus para um patíbulo ou membros em um covil de bruxas, e você tem um número com uma reputação.

Mas, ei, vamos ser realistas. Não há evidências concretas de que ter uma fileira 13 seja um convite aberto para problemas. Claro, os supersticiosos podem olhar de lado ao embarcar em um avião com uma fileira 13, especialmente se estiverem assustados com a história do acidente dos Andes em 1972, que foi, sim, numa sexta-feira 13. Mas no final das contas, seja você estiver sentado na fileira 12, 14 ou na fantasma 13, o que importa é a jornada, certo?

Lucas Rabello
Lucas Rabello

Fundador do portal Mistérios do Mundo (2011). Escritor de ciência, mas cobrindo uma ampla variedade de assuntos. Ganhou o prêmio influenciador digital na categoria curiosidades.

Mistérios do Mundo 2024 © Todos os direitos reservados