Por que às vezes damos um “pulo” violento antes de cair no sono?

Um espasmo hípnico é um espasmo muscular involuntário que ocorre quando uma pessoa está caindo no sono. O fenômeno é assim chamado em referência ao estado hipnagógico – o período de transição entre a vigília e o sono.

Os espasmos musculares podem ocorrer espontaneamente ou podem ser induzidos por som, luz ou outros estímulos externos. Algumas pessoas relatam espasmos hípnicos acompanhadas de alucinações, sonhos, sensação de queda, luzes fortes ou ruídos vindos de dentro da cabeça.

Por que às vezes damos um pulo violento antes de cair no sono?
Shutterstock

É um fenômeno bastante comum, com algumas pesquisas sugerindo que 60 a 70% das pessoas as experimentando com relativa frequência. Muitos indivíduos podem ter espasmos hípnicos sem saber, já que as contrações musculares muitas vezes não são lembradas, particularmente se não causam o despertar de uma pessoa.

Alguns cientistas acreditam que certos fatores, como estresse, ansiedade, fadiga, cafeína e privação de sono podem aumentar a frequência ou a gravidade dos espasmos hípnicos, mas faltam pesquisas conclusivas sobre o assunto. Atividades físicas intensas ou exercícios à noite também podem contribuir para o aumento dos espasmos, segundo Michelle Drerup, psicóloga e especialista em medicina do sono comportamental do Centro de Distúrbios do Sono da Cleveland Clinic, em Ohio, EUA.

Uma hipótese diz que os espasmos são uma parte natural da transição do corpo do estado de alerta para o sono, e ocorrem quando os nervos “disparam” por algum motivo por todo o corpo durante o processo.

Outra idéia popular adota uma abordagem mais evolucionária para o fenômeno, explicando que os espasmos são um antigo reflexo dos primatas durante o início do sono – o cérebro essencialmente interpreta mal o relaxamento muscular quando nos deitamos como um sinal de que o primata adormecido está caindo de um árvore, e faz com que os músculos reajam rapidamente.

“Na maioria das vezes, os espasmos hípnicos são completamente normais e não há nada para se preocupar”, disse Drerup. “No entanto, se os próprios espasmos, ou a ansiedade que você sente ao tê-los, estão perturbando significativamente o seu sono, você deve conversar com um especialista em sono sobre suas preocupações.”

você pode gostar também
2 Comentários
  1. Assis Diz

    Muito bom pagina show matérias interessantes parabéns homem inteligente.👏👏👏👏

  2. Fhilipe Diz

    Sempre tive esse problema, desde criança.
    Algo interessante é quando eu quebrei a perna, e tive que usar gesso por um tempo. Eu era criança, minha prima dormiu na mesma cama que eu e eu lhe acertei um chute de gesso na cara.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.