fbpx

Pessoas que corrigem a gramática dos outros são chatas, estudo revela

Shutterstock

Os cientistas descobriram que as pessoas que constantemente se incomodam com os erros gramaticais on-line têm personalidades “menos agradáveis” do que aquelas que simplesmente deixam passar.

Testes psicológicos revelam que essas pessoas são geralmente menos abertas, e também são mais propensas a julgá-lo por seus erros.

Pessoas que corrigem a gramática dos outros são chatas, estudo revela
Shutterstock

Em outras palavras, elas são exatamente quem você achava que eram.

Isso parece bastante óbvio, mas este artigo, que foi publicado no PLOS One, foi a primeira vez que os pesquisadores conseguiram mostrar que os traços de personalidade de uma pessoa podem determinar como elas respondem a erros de digitação e gramaticais, e podem nos ensinar muito sobre como as pessoas se comunicam (ou se comunicam mal) on-line.

“Este é o primeiro estudo a mostrar que os traços de personalidade dos ouvintes / leitores têm um efeito sobre a interpretação da linguagem”, disse a pesquisadora Julie Boland, da Universidade de Michigan.

“Neste experimento, examinamos os julgamentos sociais que os leitores fizeram sobre os escritores”.

Os pesquisadores levaram 83 participantes e pediram a todos que lessem as respostas por e-mail de um anúncio para um colega de casa, que não continha nenhum erro ou foi alterado para incluir erros de digitação ou misturas gramaticais.

Essas 83 pessoas então julgaram a pessoa que havia escrito o e-mail com base em sua percepção de inteligência, simpatia e outros atributos, como o quão bons eles seriam como colegas de casa.

Eles também foram questionados no final do experimento se tinham ou não detectado erros gramaticais ou erros de digitação nos e-mails e, em caso afirmativo, quanto os incomodavam.

Os pesquisadores então pediram aos participantes para completarem uma avaliação da personalidade dos Cinco Grandes – que avaliam onde estão numa escala de abertura, amabilidade, extroversão / introversão, neuroticismo e conscienciosidade – bem como responder perguntas sobre sua idade, histórico e atitude em relação ao idioma. [Quais são os idiomas mais difíceis de se aprender?]

No geral, os extrovertidos eram geralmente muito mais propensos a ignorar tanto erros de gramática quanto erros de digitação, enquanto introvertidos eram mais propensos a julgar os candidatos negativamente por causa dos erros.

E as pessoas que testaram como mais conscientes, mas menos abertas, eram mais sensíveis a erros de digitação, enquanto aquelas com personalidade menos agradável ficaram mais perturbadas por erros gramaticais.

“Talvez porque pessoas menos agradáveis ​​sejam menos tolerantes com os desvios das convenções”, escreveram os pesquisadores.

A pesquisa foi publicada no PLOS One.

Ajude a manter o projeto Mistérios do Mundo no ar

Inscreva-se no canal do YouTube do Mistérios do Mundo

Terra plana: E se o terraplanistas estivessem certos?

E no canal de nosso parceiro Climatologia Geográfica

E se um magnetar chegasse perto da Terra?

você pode gostar também
7 Comentários
  1. Pedro Diz

    Antes chato do que burro!!!

    1. Sandra Diz

      Eu sou chata mesmo, acho inadmissível um brasileiro que não saiba o seu próprio idioma!

  2. REGINALDO Diz

    Sou super intolerante com erros de ortografia

  3. Claudio Palhares Diz

    Primeiro: Conhecimento nunca é demais. Mas há maneiras e… maneiras de se corrigir/ensinar alguém. E neste quesito, há que se observar uma conjunção de variáveis; grau de intimidade, educação, hora e local, bom senso, além de outras conveniências. Há momentos até, em que é melhor deixar passar, para evitar constrangimentos.
    Segundo: Hoje em dia, praticamente todos tem smartphone. Se tem acesso a internet, automaticamente tem acesso a gramática, dicionário, e tira dúvidas de português, on-line e de graça. Não quer ser corrigido pelos outros, corrija-se você mesmo. Busque conhecimento, busque aprender. Mas, para buscar conteúdos que as acrescentem, as pessoas tem preguiça mental , enquanto que para conteúdos vazios, não tem. Aí, escreve “pobrema”, acha que está ótimo e que ninguém vai falar nada. É claro que tem gente que vai ser desagradável, sem tato, e que vai “corrigir” de maneira grosseira, ou que vai zoar.

  4. Peter Diz

    Mil vezes ser corrigido por um culto, do que escrever como um tupiniquim

  5. Marcia Diz

    Deixamos de ser críticos e sejamos mais humanos. De que adianta uma humanidade intelectualizada que nao sabe se comportar ?

  6. José Diz

    Este estudo é muito bom para os amantes da ignorância. Quiçá terá sido feito por algum.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.