fbpx

“Passar os seios”, a tortura que algumas mães africanas fazem para suas filhas não serem abusadas

As mães colocam nos seios das meninas pedras quentes e cintos para comprimi-los, tudo para evitar que se desenvolvam e atraiam a atenção dos homens. Assim, elas as protegem do abuso.

Há muitas torturas sofridas por meninas na África, e isso vem de centenas de anos. Embora sejam feitas tentativas para impedi-las de fazer, muitas vezes é inevitável. Essas torturas têm a ver com o fato de serem mulheres, com a maioria delas projetada para minar sua identidade.

Mas há uma forma de tortura que tem sido falada muito pouco e que recentemente começou a ser mais visível, que não se destina a prejudicá-las, mas sim “protegê-las”.

A prática não tem por finalidade ser um ato de beleza, mas para evitar que as meninas recebam atenção masculina indesejada e acabem sendo assediadas ou abusadas sexualmente por homens (causando gravidez prematura).

Como você pode imaginar, impedir que os seios de uma menina na puberdade se desenvolvam não é uma tarefa fácil ou indolor: as mulheres de sua família batem nelas com objetos duros e quentes, como pedra. Outra técnica que elas usam é colocar cintos que comprimem o peito no torso.

Essa prática não só previne o crescimento das mamas, mas produz muitos mais efeitos negativos: destrói o tecido mamário, pode causar câncer de mama, dissimilaria mamária – ou o completo desaparecimento de ambos os seios – e gera problemas na amamentação. Também gera problemas psicológicos, como angústia ou rejeição do próprio corpo, se os seios eventualmente voltarem a crescer.

Embed from Getty Images

Guiné-Bissau, Togo, Chade, Benin, Costa do Marfim, Quênia e Zimbábue são outros países onde esta prática é realizada, de acordo com o site The Conversation. Segundo as Nações Unidas, 3,8 milhões de adolescentes em todo o continente foram afetadas pelo achatamento da mama.

A ONG The Girl Generation, fundada no Reino Unido, está atualmente levantando fundos para ajudar na diminuição do problema na África.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.