8 sons e ruídos misteriosos que intrigam a ciência até hoje

Versão em vídeo:

Versão em texto:

O mundo está cheio de mistérios por aí: Animais nunca estudados, lugares jamais explorados e até mesmo ruídos inexplicáveis. Por mais que a ciência se esforce para dar uma explicação plausível a tudo o que nos intriga, nem sempre as coisas são tão simples.

Nessa lista, você vai conhecer alguns dos barulhos mais misteriosos que já intrigaram os cientistas até hoje.

1. A baleia solitária.

Em meados dos anos 1990, a marinha dos Estados Unidos concedeu a um grupo de cientistas acesso a uma rede de hidrofones construídos ainda nos anos 50, no norte do Oceano Pacífico. Analisando os sons registrados na região, os especialistas perceberam a presença de um som produzido pela que parecia ser um espécime de baleia azul. No entanto, o “grito” alcançava incríveis 52 Hz, enquanto as vocalizações normais desses animais ficam entre 15 e 25 Hz. Segundo os cientistas, provavelmente se trata de uma baleia que nasceu com alguma deformidade, mas o animal passou a ser conhecido popularmente como a “baleia solitária”, já que muitos assumiram que poderia se tratar de um espécime que se perdeu de seus semelhantes. Apesar do cientista William Watkins, que descobriu o ruído singular, ter morrido em 2004, as pesquisas não pararam. Em 2010, um “grito” semelhante foi ouvido nas águas da mesma região. Seria a mesma baleia? Ou será que ela não era assim tão solitária no fim das contas?

2. ‘Skyquakes’.

Shutterstock

Os ‘skyquakes’ representam um mistério que intriga cientistas do mundo inteiro. O termo deriva dos termos em inglês para ‘céu’ e ‘tremor’, e consiste em uma série de ruídos inexplicáveis observados nos céus de diferentes regiões do mundo. Há mais que uma explicação para esses sons, como testes militares, meteoros passando perto da nossa atmosfera, entre outras causas cientificamente explicáveis.

Um dos exemplos mais recentes é o ruído curioso que vem sendo registrado por pessoas principalmente no Brasil, em meio à quarentena causada pelo coronavírus. O estado de temor por conta do surto fez com que muitas pessoas associassem os ruídos com um possível “sinal do fim do mundo”, mas na verdade os especialistas acreditam que os sons estão sendo causados por alterações na nossa atmosfera nos gases que as compõem, que já que o nível de poluição diminuiu consideravelmente durante o período de quarentena.

3. Explosões de Seneca

Os moradores da região próxima ao Lago Seneca, em Nova Iorque, bem como das proximidades de Outer Banks, na Carolina do Norte, há seculos registram sons que se assemelham a explosões de guerra, como mísseis e bombas. De acordo com cientistas que já estudaram o fenômeno, esses sons podem ser provocados por terremotos, mas nunca foram encontradas evidências concretas para comprovar essa hipótese.

Muitas vezes, os sons são tão altos que podem abrir portas e janelas, causando terror entre os moradores. Outras hipóteses envolvem possíveis testes militares secretos, meteoritos e até mesmo o escapamento de gás metano a partir de fissuras subaquáticas.

O tema é frequente entre grupos de geofísicos, mas a maioria dos especialistas encara a questão mais como uma “curiosidade”, e não como um problema urgente.

4. UVB-76

A Rússia é um país cheio de mistérios, e muitos destes ainda não foram solucionados. A rádio intitulada ‘UVB-76’ é um deles. Trata-se de uma frequência de rádio com ondas curtas, que emite apenas um sinal monótono e incompreensível, que ao longo dos anos vem intrigando especialistas e entusiastas da rádio comunicação.

O sinal foi verificado pela primeira vez em 1982, e desde então o “bip” emitido pela rádio já foi alterado algumas vezes, e a transmissão também foi interrompida por vozes humanas em duas ocasiões, o que sugere que a estação não é mantida por uma gravação, e talvez tenha um microfone aberto durante o tempo todo.

Não se sabe exatamente o motivo pelo qual os russos instituíram esta rádio, mas são muitas as suposições. De acordo com um ex-ministro da Lituânia, a rádio russa tem o objetivo de testar se operadores de outras estações estão em alerta para possíveis sinais de voz emitidos pela UVB-76 e outras frequências militares. Outros dizem que pode se tratar de um projeto científico que lança ondas de rádio para a ionosfera, na tentativa de detectar erupções solares. Até o momento, no entanto, nada foi comprovado.

5. O Ruído de Forest Grove

Em meados de 2016, os moradores da região de Forest Grove, na cidade estadunidense de Portland, foram atormentados por um ruído estridente, semelhante a uma porta abrindo e fechando, que não deixava que as pessoas dormissem em paz.

As autoridades locais desconfiaram de várias coisas, e inclusive chegaram a desligar o fornecimento de luz, gás e água da região para tentar fazer o som parar e posteriormente rastrear a sua origem. Porém sem nenhum sucesso. Freios de trens e vazamentos de gases também foram descartados, o que levou as autoridades policiais a emitir um mandado de prisão para quem quer que estivesse provocando aquele som como forma de perturbar os vizinhos. No entanto, ninguém jamais foi detido, e não há na verdade nada que comprove que o som era provocado de forma premeditada.

Um professor de física de Forest Grove tentou encontrar o foco do ruído mapeando as reclamações dos moradores em um mapa do Google, mas também não obteve sucesso.

As investigações policiais foram encerradas quando as reclamações começaram a diminuir, mas sem que tivessem certeza sobre o que realmente provocou o ruído. No final das investigações, as hipóteses mais frequentes eram de algum problema em uma bomba d’água ou em uma ventoinha de grandes dimensões.

6. O ‘Hum’

Vários moradores doS EUA, Canadá, Inglaterra e Nova Zelândia, bem como alguns outros países, relataram ao longo dos últimos anos um ruído não muito alto, porém irritante e contínuo, sem nenhuma causa aparente. Muitos cientistas sugerem que o ruído pode ser um tipo de zumbido com causas naturais, chamado tinnitus, que causa temor por conta dos relatos que as pessoas leem na Internet, em uma espécie de histeria coletiva. Mas como é difícil comprovar cientificamente este tipo de condição, o zumbido segue sem uma explicação definitiva.

7. As areias que ‘cantam’

Vários exploradores que passaram pelo Deserto de Gobi e pelas dunas do Parque Nacional do Colorado já relataram um som arrepiante sendo provocado pela areia. Ainda no século 13, o explorador Marco Polo comparou o som ao “som de todos os instrumentos”. Em 2012, um estudo sugeriu que o som pode ser provocado pelo deslizamento de grãos de areia de diferentes tamanhos, como em uma avalanche. Esta, no entanto, é apenas uma hipótese, que ainda precisaria ser comprovada.

8. Colossos de Mêmnon

Reprodução | Joan Wong

Localizados em Tebas, no Egito, os Colossos de Mêmnon são estátuas de 18 metros construídas em homenagem fúnebre ao faraó Amenófis III. Ao longo dos anos, as estátuas ganharam uma curiosa fama: Dizem as lendas que as estátuas são capazes de “cantar”.

A cantoria, de acordo com a lenda, consiste em uma espécie de assovio, e apesar de ter intrigado várias gerações ao longo da história da humanidade, hoje já possui uma explicação científica.

O que acontece, de acordo com os cientistas, é que o monumento acumula certa quantidade de umidade em seu interior, que ocasionalmente acaba por evaporar, provocando um som semelhante ao produzido por uma cítara.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.