Objeto interestelar caiu na Terra, segundo cientistas de Harvard

Quando o ‘Oumuamua’ entrou no nosso Sistema Solar em 2017, os astrônomos declararam que era o nosso primeiro visitante interestelar.

Isso é um feito bastante impressionante – mas foi realmente o primeiro?

Oumuamua
Conceito artístico de ‘Oumuamua, um objeto interestelar que foi descoberto zunindo através do nosso sistema solar em 2017. Um novo estudo determinou que um pequeno meteoro que atingiu a Terra em 2014 veio também do espaço interestelar / Shutterstock

Não. Pelo menos, esse é o argumento apresentado pelo professor de Harvard, Avi Loeb, e pelo estudante de graduação Amir Siraj. Em um documento pré-impresso (aguardando revisão por pares) publicado no site de astronomia de acesso aberto arxiv.org, os dois dizem que “Oumuamua foi o sucessor de outro viajante interestelar que passou pela Terra em 6 de janeiro de 2014”.

“Seria de se esperar uma abundância muito maior de objetos interestelares menores, com alguns deles colidindo com a Terra com frequência suficiente para serem notados”, escreveram os pesquisadores.

Para tentar descobrir se algum desses “objetos interestelares menores” passou ou não pela Terra recentemente, a equipe estudou as observações registradas no catálogo Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra (CNEOS), que mede a velocidade e trajetória de objetos extraterrestres detectados por sensores do governo dos EUA.

No entanto, a fim de escapar da força gravitacional de uma estrela e viajar de um sistema solar para outro, um objeto tem que viajar incrivelmente rápido. E assim, os autores principais Siraj e Loeb se concentraram nos objetos mais rápidos registrados.

O que chamou a atenção foi um meteoro identificado em 6 de janeiro de 2014, perto da Ilha de Manus, em Papua Nova Guiné, que “tinha uma velocidade heliocêntrica de pré-impacto excepcionalmente alta”. O objeto tinha apenas 0,9 metro de largura e estava voando pelos céus a uma velocidade de 216.000 quilômetros por hora, sugerindo que ele estava desvinculado do Sol.

Usando simulações de computador, os pesquisadores calcularam a trajetória do meteoro rastreando seu movimento de volta no tempo. Eles encontraram interações gravitacionais “não substanciais” entre ele e outro planeta até que ele atingiu a Terra, o que implica que ele tem origens interestelares.

“Seu tamanho, trajetória e excesso de velocidade excluem a possibilidade de estarem gravitacionalmente espalhados dentro do Sistema Solar antes do impacto”, escreveram os pesquisadores.

Siraj e Loeb notaram dois outros objetos interestelares nos dados, que cobrem um total de 30 anos de observações. Apenas um deles tinha uma órbita que parecia gravitacionalmente ligada ao Sol e era difícil confirmar as origens interestelares do segundo.

Ainda assim, eles continuam, assumindo que há de fato três objetos com potencial para serem de origem interestelar a cada 30 anos, haveria cerca de um milhão desses objetos para cada unidade astronômica na galáxia. Levando adiante, dizem eles, isso sugere que cada estrela próxima catapulta 60 bilhões de trilhões desses objetos durante sua vida de bilhões de anos.

Isso parece ser muito. Mas, como a NASA aponta, os cientistas pensam que objetos interestelares como esses passam pelo Sistema Solar regularmente.

O problema é que eles são muito pequenos e estão muito longe para serem detectados. ‘Oumuamua foi excepcional não apenas por causa de suas origens interestelares, mas por causa de seu tamanho, forma e o fato de que era um asteróide e não um cometa (como os cientistas previram). Os cientistas estimam algo parecido com ‘Oumuamua atravessa a órbita da Terra várias vezes por ano, só que eles são pequenos e muito difíceis de detectar.

Quanto ao artigo de Siraj e Loeb, ele foi submetido ao The Astrophysical Journal Letters, mas ainda está para ser revisado por pares. [Space]

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.