Notícias e artigos sobre ciência, incluindo espaço, biologia, arqueologia, e muito mais.

O universo foi feito especialmente para nós, dizem os cientistas

Para um ser humano, o universo pode parecer um lugar muito inóspito. No vácuo do espaço, você iria sufocar rapidamente, enquanto que na superfície de uma estrela você seria queimado como uma batata frita. Tanto quanto sabemos, toda a vida está confinada ao pequeno planeta rochoso que habitamos.

Mas, embora a origem da vida na Terra permaneça um mistério, há questões maiores para responder. Ou seja: por que as leis da física permitem a existência de vida?

Lembre-se de que o universo é construído de peças fundamentais, partículas e forças, que são os blocos de construção de tudo o que vemos ao nosso redor. E nós simplesmente não sabemos por que essas peças têm essas propriedades. E se a força electromagnética fosse um pouco mais forte e a força nuclear um pouco mais fraca? Nenhuma estrutura poderia surgir no universo, o que significa que as “configurações” do universo parecem ter sido propositadamente ajustadas para permitir a existência de planetas, estrelas, e vida. Por exemplo, se a intensidade da força nuclear forte fosse uma fração diferente, ela não permitiria que o carbono surgisse no universo, e portanto, vida como a conhecemos. A história não termina aí. Uma vez que o carbono é feito, ele está pronto para ser transmutado em elementos mais pesados, em especial o oxigênio. Acontece que o oxigênio, devido à intensidade da força nuclear forte, não tem as propriedades de ressonância particulares que aumentaram a eficiência da criação de carbono. Isto evita que todo o carbono seja consumido rapidamente. A força específica da força forte tem, portanto, resultado em um universo com uma mistura quase igual de carbono e oxigênio, um bônus para a vida na Terra.

Há muitos fatos observacionais sobre o nosso universo, tais como elétrons que não pesam quase nada, enquanto alguns de seus primos, os quarks,  são milhares de vezes mais maciços. E a gravidade é incrivelmente fraca em comparação com as imensas forças que mantêm o núcleo atômico coeso. Se essas configurações fossem ligeiramente bagunçadas, o universo como o conhecemos não poderia existir.

Por que o nosso universo foi construído dessa maneira? Nós simplesmente não sabemos.

Em nosso universo, nós vivemos com o conforto de uma certa mistura de espaço e tempo, e uma estrutura matemática aparentemente compreensível que sustenta a ciência como a conhecemos. Porque que o universo é tão previsível e compreensível? Será que seríamos capazes de fazer tal pergunta se não fosse?

Nosso universo parece se equilibrar em uma ponta de estabilidade. Mas por que?

Um em vários

Para alguns, a ciência vai simplesmente corrigir tudo. Talvez, se nós descobrirmos a “Teoria de Tudo”, unindo a mecânica quântica com a relatividade de Einstein, todas as massas relativas e pontos fortes das peças fundamentais serão absolutamente definidas, sem mistérios remanescentes. Para outros, isso é apenas ilusão.

Alguns buscam consolo em um criador, um ser onipotente que definiu as propriedades do universo que nos permitem estar aqui. Mas o movimento científico para o sobrenatural deixa muitos desconfortáveis.

Há, no entanto, uma outra solução possível, guiada pelos pensamentos obscuros e confusos na borda da ciência. Muitos cientistas acreditam que nós não fazemos parte do único universo, existente mas estamos apenas em um em um mar semi-infinito de universos, cada um com seu próprio conjunto peculiar de propriedades físicas, leis e partículas, vidas e estruturas. Como vimos, a grande maioria desses outros universos no multiverso global é morta e estéril.

Em qualquer outro universo, nós simplesmente não estaríamos por perto para fazer tais questões.

Se a teoria do multiverso estiver correta, temos de aceitar que as propriedades fundamentais do universo foram aleatórias, e nosso universo parece ter ganhado na roleta cósmica para permitir a existência de tudo o que conhecemos.

Concluímos, portanto, que o universo foi feito especialmente para nós, e temos muita sorte de vir à existência. [IFLScience]

Comentários
Carregando...