O que é o permafrost e como ele coloca o planeta em risco?

Você certamente já ouviu falar sobre o aquecimento global, e os efeitos negativos que ele vem causando ao longo do tempo em nosso planeta. Mas um tema que vem chamando ainda mais a atenção recentemente envolve o permafrost – o tipo de solo que é comumente encontrado na região do Ártico. Trata-se de uma mistura de gelo, terra e rochas, que com o passar do tempo acaba congelando e criando uma camada de neve na parte superior. Esta neve, durante os períodos mais quente do ano, costuma derreter parcialmente, criando uma superfície pantanosa.

O nome permafrost é uma junção dos termos “permanent” e “frost” (congelamento, ou ‘congelado’), o que significa que este tipo de solo fica permanentemente congelado, apesar dos ciclos de degelo envolvendo a camada de neve em sua superfície.

O que é o permafrost e como ele coloca o planeta em risco?
Shutterstock

De acordo com pesquisas recentes, no entanto, o permafrost do Ártico vem enfrentando um processo ineditamente veloz de degelo, o que está assustando toda a comunidade científica e ligando o alerta para a questão do aquecimento global.

Mas qual é a relação entre o permafrost e o aquecimento global?

Como você provavelmente aprendeu na escola, os gases de efeito estufa, como o gás carbônico ou dióxido de carbono, por exemplo, se acumulam na atmosfera, prejudicando a forma como nosso planeta consegue se defender do calor gerado pelos raios solares. Como a liberação destes gases vem enfrentando picos de crescimento desde a Revolução Industrial, diversos países no mundo inteiro lutam para conscientizar os demais sobre a necessidade de tomar medidas que nos ajudem na prevenção de um cenário catastrófico de elevação da temperatura global.

Com o aquecimento, apenas para citar um exemplo, as calotas polares localizadas no continente antártico – bem como na Rússia, Canadá, e outros países próximos do Ártico, estão derretendo em níveis cada vez mais assustadores, o que coloca em risco assentamentos e comunidades humanas localizadas nas redondezas, provoca um aumento no nível dos oceanos e causa a morte de diversas formas de vida. Além disso, caso o processo de elevação da temperatura no nosso planeta não seja freado a tempo, podemos observar a desertificação de algumas regiões, bem como a extinção de parte considerável da fauna e da flora.

E como você pode imaginar, o aquecimento global afeta também o permafrost. Conforme as pesquisas mais recentes, os aumentos que já foram observados até o momento estão causando um derretimento fora do normal no permafrost ártico, o que consigo traz um outro problema. Quando este tipo de solo passa por um processo de degelo, ele acaba liberando gases poluentes na atmosfera – como o metano e o próprio dióxido de carbono. Isso acaba causando uma espécie de “ciclo” vicioso que pode levar o nosso planeta a um agravamento no quadro da elevação de temperatura.

Futuro preocupante

O que é o permafrost e como ele coloca o planeta em risco?
Shutterstock

Uma publicação do jornal britânico ‘The Guardian’ reforça o alerta ao ressaltar que este “ciclo” vem sendo observado mesmo com o aumento de temperatura consideravelmente pequeno que o nosso planeta enfrenta neste momento – cerca de 1ºC. A reportagem, de abril deste ano, aponta que aproximadamente 10 gigatoneladas de CO² já foram liberadas na atmosfera por conta deste processo que está sendo estudado a partir das descobertas mais recentes. [Descongelamento pode liberar bactérias causadoras de antraz na Sibéria]

No entanto, como os próprios britânicos alertam, os níveis de emissão do gás podem atingir níveis perigosíssimos para a saúde do nosso planeta quando, por exemplo, a elevação na temperatura chegar na casa dos 1,5ºC. Caso se confirmem as estimativas de que até o final do século a elevação deve chegar aos 3ºC, o derretimento do permafrost pode ser responsável pela liberação de 280 gigatoneladas de dióxido de carbono, bem como 3 gigatoneladas de metano (que é ainda mais poluente que o CO²).

Com tudo isso em mente, torna-se cada vez mais urgente que as nações do mundo inteiro entrem em acordo em relação às atitudes e estratégias que serão tomadas para evitar que, em um futuro nem tão distante assim, as próximas gerações enfrentem um verdadeiro caos.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.