O que é a alegoria da caverna de Platão, citado em ‘1899’?

Atenção: contém spoilers!

“1899” gira em torno de um navio de passageiros chamado Kerberos, que viaja de um destino desconhecido para os Estados Unidos da América. Depois de chegar a um certo ponto de sua jornada, eles recebem um sinal de socorro do navio de passageiros desaparecido, Prometheus, e se dirigem a ele para resgatá-lo.

O capitão Eyk leva uma equipe de busca ao navio encalhado e tudo o que encontram é um garoto chamado Elliot escondido dentro de um armário. Ele é trazido para o Kerberos, iniciando assim uma série de eventos que levam os passageiros e a tripulação do navio a perceber que eles não estão indo para os EUA.

Em vez disso, eles estão presos em três camadas de simulações que estão sendo projetadas em suas mentes enquanto seus corpos físicos estão em 2099 e voando pelo espaço na espaçonave chamada Prometheus. Apenas Maura Franklin  pode ajudar a todos acordando porque, em última análise, é seu irmão Ciaran quem é o cérebro por trás desse projeto experimental. Mas por que ele está fazendo tudo isso? Bem, a resposta pode ser encontrada na Alegoria da Caverna de Platão.

No episódio 7 de “1899”, quando Maura encontra a simulação da casa dela e de Daniel, bem como as fotos dela junto com Daniel e Elliot (filho deles), Daniel diz que fez tudo isso para se livrar de sua dor. Ele não especifica de que tipo de dor está falando. Mas podemos assumir que ele está falando sobre a situação real de Elliot, onde ele provavelmente está morrendo (ou morto).

Maura diz que sabe que nada do que está vivendo é real. Daniel diz que eles estão realmente presos em uma simulação. Ele repete a teoria de Maura de que nunca sabemos se os estímulos em nossos cérebros são causados ​​pela realidade ou simplesmente por uma construção de uma.

É quando ele traz à tona o tema da alegoria da caverna de Platão para explicar que eles estão assistindo a imagens projetadas em suas mentes. E ele enfatiza a importância de acordar desse estado de sonho perpétuo porque, se não o fizer, ela perderá a cabeça dentro da simulação, pois seu cérebro começará a percebê-la como realidade.

No episódio 8 de “1899”, enquanto educa Elliot sobre o fato de que ele está preso em uma simulação criada por Maura para que ela possa mantê-lo vivo, Henry começa a falar sobre os dias de infância de Maura. Ele diz que ela encontrou um artigo sobre o migo da caverna de Platão em seu escritório. Mesmo sendo muito jovem para entender um conceito tão abstrato, ela o lia repetidamente.

Depois que ela terminou, toda a sua existência foi engolfada por esta única ideia: que nosso conhecimento tem limitações e que nunca sabemos se as coisas que vemos são reais ou não. Então, na tentativa de obter algumas respostas, ela perguntou a Henry que, se o argumento de Platão é “verdadeiro”, então como alguém pode saber que algo é real?

Henry tentou inserir o conceito de Deus em sua resposta e dar crédito a Deus por criar a realidade. Maura respondeu dizendo que Deus é a única coisa real e a humanidade é a casa de bonecas dessa entidade. No entanto, ela levantou uma contra-pergunta: quem criou Deus e se essa série de criar algo e tratá-lo como um brinquedo continua indefinidamente?

O filósofo grego Platão falou sobre o Sol (numa conversa entre Sócrates e Glaucon) não apenas como uma fonte de luz, mas como uma fonte de bondade no mundo. Ele disse que nossa realidade pode ser preenchida com muitas coisas maravilhosas e deliciosas. Mas se elas não forem iluminados pela luz, não poderemos vê-las ou apreciá-las.

Todos os nossos órgãos sensoriais podem estar em perfeitas condições de funcionamento. No entanto, se nossa mente não estiver iluminada o suficiente, nossas observações do que percebemos serão tão boas quanto viver na escuridão, o que pode ser equiparado à ignorância.

Além disso, Platão falou sobre a linha dividida. Ele a descreveu como uma linha reta que foi dividida em duas partes desiguais e depois dividida novamente na mesma proporção. Portanto, existem cinco pontos, ou seja, A, B, C, D e E (com A, B, C e D sendo os mais próximos um do outro e E sendo o ponto mais distante). E ele disse que o mundo visível é feito da seção AB, que representa sombras e reflexos de objetos físicos, e a seção BC, que representa os próprios objetos físicos. Saber sobre essas seções significa que você está ciente da ilusão da realidade e dos elementos que estão lançando essa ilusão. Depois, há o mundo inteligível, onde o CD representa o raciocínio matemático e o DE abrange o entendimento filosófico.

O que isso tem a ver com a alegoria da caverna? Platão usou a analogia de um grupo de pessoas acorrentadas à parede de uma caverna com a cabeça e as pernas fixadas em outra parede de tal forma que não tiveram outra opção a não ser olhar para a parede à sua frente (e não atrás deles).

Há uma fonte de iluminação atrás deles, ou seja, fogo. E isso está projetando sombras dos objetos que estão passando pelo fogo na parede que os prisioneiros estão olhando.

Os prisioneiros não têm ideia se essas sombras são reais ou uma pálida imitação da realidade porque não podem se virar e olhar para a origem das sombras. Eles começam a acreditar que aquelas sombras são sua realidade por causa dos sons que vêm do mundo de trás e ecoam pela caverna.

No entanto, de acordo com Platão, se um dos prisioneiros for trazido para o mundo real, quebrando assim sua ilusão de que as coisas que ele viu na caverna não são realidade, então a experiência será avassaladora.

Na verdade, o prisioneiro provavelmente decidirá ficar na caverna porque é com isso que ele se acostumou. Mas se ele for forçado a ficar muito tempo no mundo real e olhar para a verdadeira fonte de iluminação (o Sol), então e só então ele vai perceber que o que parece confortável pode acabar sendo uma ilusão. O que inicialmente é desagradável aos olhos (a luz do sol), porém, pode acabar iluminando a realidade ao seu redor.

Não é aí que a história termina. Platão diz que se o prisioneiro liberto for enviado de volta para a caverna, ele provavelmente tentará educar os outros prisioneiros cativos sobre o fato de que o mundo real está lá fora e não nas paredes da caverna.

Mas na reentrada, a escuridão da caverna vai cegar o prisioneiro libertado (assim como a forte luz do sol o cegou), e os prisioneiros cativos vão interpretar isso como resultado de viajar para fora da caverna. Isso levará os prisioneiros cativos à conclusão de que nunca devem se aventurar ou deixar alguém entrar do mundo externo (real). Para eles, a caverna é sua realidade.

Portanto, a moral de toda esta seção é que é preciso ter uma compreensão adequada (filosófica e científica) da realidade e da ilusão da realidade para perceber onde eles estão. Caso contrário, a pessoa que controla as ilusões poderá manipulá-lo da maneira que quiser.

Se você tem uma compreensão abrangente da linha que divide a realidade da ficção, não importa quanto absurdo seja lançado em seu caminho, você sempre terá uma compreensão firme do óbvio. Agora, vamos ver como essa teoria particular influencia a narrativa de “1899”.

Como a alegoria da caverna de Platão explica o que Ciaran está fazendo em ‘1899’?

Se a alegoria acima mencionada sobre as cavernas de Platão o lembra de “Matrix”, você não está errado. Claro, se você ainda não assistiu ao filme, não vai entender do que estou falando. Você deve assistir porque é um clássico e uma grande fonte de inspiração para Baran Bo Odar e Jantje Friese, criadores de 1899.

No épico de ficção científica dirigido pelas irmãs Wachowski, máquinas sencientes tomaram conta da humanidade e estão usando humanos como baterias para se manterem energizadas. No entanto, para que os humanos funcionem adequadamente, eles precisam sentir que estão vivendo na realidade.

Então, as máquinas criaram a Matrix, que é uma forma artificial de realidade que está sendo alimentada nas mentes dos humanos. Aqueles que estão cientes dessa tolice tentam escapar da Matrix e lutar contra as máquinas. Os que não o fazem, ficam dentro da Matrix. E há aqueles para quem o mundo real é muito deprimente e eles querem ficar conectados à Matrix. Agora, substitua as máquinas por Ciaran e os humanos conectados pelos passageiros do Prometheus, e você terá a resposta.

buy metformin metformin online