O que aconteceria se você vivesse na zona de exclusão de Chernobyl?

Quando o telhado do reator  4 explodiu em 6 de abril de 1986, uma pluma de radioatividade foi liberada na atmosfera – inundando a área local em materiais radioativos antes de ir para o oeste para Belarus e até chegar em Cumbria, na Inglaterra. O reator continuou vazando por 10 dias após o acidente inicial, liberando ainda mais radiação no meio ambiente.

Aproximadamente 116.000 pessoas foram evacuadas dias depois (mais de 250.000 no total), enquanto as autoridades estabeleceram uma zona proibida de 30 quilômetros ao redor do local.

31 trabalhadores de limpeza morreram de exposição à radiação, e a Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que o acidente terá sido responsável por 4.000 mortes a longo prazo. (Embora a contagem real de mortes seja difícil de calcular).

O desastre de Chernobyl ainda é considerado o pior desastre nuclear de todos os tempos. Segundo o Fórum Econômico Mundial (WEF), a quantidade de material radioativo liberado foi 400 vezes maior que a da bomba atômica lançada sobre Hiroshima.

Assista ao nosso vídeo sobre Chernobyl:

Mas hoje, 33 anos depois, é uma história diferente. A cidade abandonada de Chernobyl tornou-se um destino de férias, atraindo viajantes e usuários do Instagram, com sua beleza misteriosa, história trágica e potencial foto-operativo. Dois hotéis, embora simples, oferecem aos visitantes uma estadia confortável, enquanto o governo ucraniano anunciou planos para transformá-lo em um destino turístico oficial.

Explorar as ruínas da antiga cidade ucraniana não representa um risco imediato para a saúde. Embora existam certas áreas da zona de exclusão onde de fato não é aconselhável ir (como a usina e a Floresta Vermelha), a maior parte da zona  não contêm mais radioatividade do que lugares de radiação natural elevada como Colorado e Cornwall, disse Jim Smith, professor de ciência ambiental na Universidade de Portsmouth.

“A radiação natural no mundo varia – se você está vivendo em grandes altitudes, você recebe mais radiação cósmica”, disse Smith. “Para a maior parte da zona de exclusão, as doses que você receberia lá estão dentro dessa faixa de variabilidade de doses de radiação em todo o mundo”.

Para colocar em números: Muitos dos bombeiros e outros homens que foram chamados para limpar o vazamento em 1986 foram expostos a doses de cerca de 800.000 a 160.000 microsieverts (µSv) *. Isso é extremamente alto e mais do que suficiente para causar vômitos, hemorragias internas e morte dentro de semanas de exposição. Mas a dosagem anual médiaem grande parte da zona hoje é de apenas cerca de 1.000 µSv *. Isso é menor do que a radiação instantânea que você receberia se fosse fazer uma tomografia computadorizada de corpo inteiro (10.000 µSv *). [* Os números são baseados em cálculos publicados pela BBC.]

Agora você entrar em Chernobyl e ver a assustadora cidade-fantasma em 360°
Shutterstock

Essa é a maior parte da zona de exclusão, mas não toda. Existem vários “hotspots” que contêm taxas significativamente mais altas de radiação. Veja, por exemplo, a Floresta Vermelha, onde você receberia uma taxa aproximada de 350.000 µSv por ano.

“Não seria correto dizer que é letal, mas se você morasse lá, você receberia uma dose de radiação bastante significativa que poderia levar ao câncer mais tarde”, disse Smith, que prevê que levará cerca de 300 anos para a radiação voltar ao normal na Floresta Vermelha.

Mas não são apenas os níveis de radiação que são importantes aqui, mas o tipo de radiação. Mais de 100 elementos radioativos foram jogados na atmosfera durante a explosão, mas – felizmente – a maioria deles teve uma meia-vida relativamente curta. O iodo-131 foi um dos mais nocivos e está fortemente ligado ao câncer de tireoide. No entanto, decai incrivelmente rápido (relativamente falando), ostentando uma meia-vida de apenas 8 dias.

Chernobyl Pripyat
Shutterstock

A maioria dos casos adicionais de tireóide associados a Chernobyl (aproximadamente 5.000 no total) pode ser atribuída a altos níveis de iodo-131 no ambiente após o vazamento. O elemento radioativo se infiltrou na cadeia alimentar, contaminando as colheitas e os locais de produção animal que foram consumidos semanas depois.

Embora o iodo-131 suplementar já tenha desaparecido da zona, outros elementos – como o estrôncio-90 e o césio-137 – com meias-vidas mais longas (29 e 30 anos, respectivamente) permanecerão. Isso significa que, 33 anos após o evento, ainda há muito do processo de decadência.

O plutônio-239 tem uma meia-vida ainda mais longa, durando pouco mais de 24.000 anos. A boa notícia, diz Smith, é que ela não é muito biodisponível, o que significa que é muito menos provável que seja absorvido pelas plantas e pelo solo.

Tudo isso é para dizer que se você fosse viver hoje na zona de exclusão de Chernobyl, não aconteceria muita coisa. Embora seja necessário polvilhar uma camada extra de fertilizante para aumentar o rendimento das colheitas, brinca Smith, ele também diz que prefere que o local continue sendo uma reserva natural. [Nota: os animais selvagens da região estão florescendo graças à ausência de humanos.]

De fato, pessoas já moram lá, com algumas comunidades retornando o ano da explosão. Em 2000, havia aproximadamente 200 pessoas vivendo dentro da zona de exclusão. [BBC]

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.