Pular para o conteúdo
O momento em que abrem o corpo de uma píton e encontram o cadáver de um jacaré

O momento em que abrem o corpo de uma píton e encontram o cadáver de um jacaré

O YouTube é uma fonte de todos os tipos de vídeos virais, mas o que apresentamos nesta ocasião é tão impressionante quanto fascinante. Recentemente, uma píton birmanesa de 5,5 metros foi sacrificada na Flórida. No momento da necropsia, os patologistas veterinários ficaram surpresos ao retirar a carcaça de um jacaré de 1,5 metro de comprimento.

Rosie Moore, uma geocientista da Flórida que também estuda herpetofauna invasiva, fez parte da equipe que realizou a necropsia da cobra. Ela mesma postou um vídeo da operação em sua conta do Instagram em 1º de novembro. A filmagem mostra os patologistas abrindo o estômago da cobra e, em seguida, deslizando o corpo do jacaré morto para fora do interior úmido da píton.

“Quando chegou ao laboratório, ficou claro que havia um jacaré dentro da píton”, disse Moore à Live Science. Os patologistas ficaram surpresos porque o jacaré estava em muito bom estado de conservação. O único dano visível era na camada dérmica, ou escamas. “A píton começou a digerir o jacaré, mas na maior parte, o jacaré estava totalmente intacto”, disse Moore.

Embora os relatos de predação entre pítons e jacarés e vice-versa tenham crescido, Moore afirmou que ela não caracterizaria isso exatamente como uma ocorrência comum. Normalmente, as enormes cobras preferem atacar outros tipos de répteis, além de aves, roedores e outros pequenos mamíferos.

As pítons birmanesas foram introduzidas na Flórida no início dos anos 1970, quando donos de animais as soltaram ilegalmente na natureza. Desde então, essas cobras se reproduziram em grande número, causando danos às populações de animais do Parque Nacional de Everglades.

De acordo com o US Geological Survey, até 99,3% dos guaxinins, 98,9% dos gambás e 87,5% dos linces desapareceram nas regiões mais ao sul do parque desde a chegada da píton.

De tempos em tempos, há histórias de humanos tendo encontros infelizes com esses animais, como o caso recente de uma mulher na Indonésia que foi devorada por uma píton. Por isso, é importante que as pessoas estejam cientes dos riscos associados a essas cobras invasoras e que tomem medidas para evitar contato com elas.

Atualmente, as pítons são consideradas espécies invasoras no sul da Flórida, portanto, as pessoas não precisam de permissão para matá-las ou capturá-las. Vários avistamentos foram feitos no Parque Nacional de Everglades, onde são consideradas uma ameaça à vida selvagem local.

Em resposta a essa ameaça, as autoridades estaduais e federais estão trabalhando juntas para controlar a população de pítons birmanesas na Flórida. Isso inclui programas de captura e remoção, além de campanhas de conscientização para alertar as pessoas sobre os riscos dessas cobras e como evitar o contato com elas.