O misterioso caso STENDEC: A aeronave que desapareceu por meio século

Nota: imagem em destaque ilustrativa

Em 2 de agosto de 1947, aproximadamente às 17h40, a aeronave que realizava o voo CS59 da British South American Airways fez seu último contato com a torre antes de desaparecer completamente, provocando um dos maiores mistérios da aviação daquela época, e que se manteve por muitos anos.

Neste último contato, o piloto informou que estava prestes a aterrissar em solo chileno, no aeroporto de Los Cerrillos, em Santiago. Infelizmente, o pouso nunca aconteceu. Na mensagem enviada para a torre, em código morse, o piloto dizia: “ETA (tempo de chegada estimado) Santiago 17h45 STENDEC”. Essas últimas letras, que parecem formar uma palavra, nunca foram totalmente compreendidas. Mesmo para especialistas em aviação e código morse, ‘STENDEC’ não faz nenhum sentido, e não há nenhum motivo plausível pelo qual o piloto pode tê-la colocado no final do comunicado. Para muitos, isso foi suficiente para que fossem levantadas hipótese relacionadas a seres extraterrestres.

Domínio Público

Conspirações à parte, o mistério só foi solucionado (pelo menos parcialmente) em janeiro do ano 2000. No começo do ano que marcava a virada do milênio, fragmentos da aeronave foram encontrados junto com restos mortais nas proximidades do vulcão Tupungato, na Argentina. Após as investigações necessários, foi constatado que, realmente, tratava-se do voo CS59.

A perícia logo descartou a possibilidade de um atentado terrorista envolvendo explosivos, hipótese que havia sido levantada anteriormente, já que os motores da aeronave estavam funcionando. A forma como os destroços foram encontrados também contribuiu com o veredito final, de afirmou que a aeronave se chocou diretamente com a montanha. Este choque, de acordo com os especialistas, provocou uma avalanche, que em um primeiro momento provavelmente cobriu os destroços, dificultando o trabalho das equipes de busca. Isso explica por que os resgatistas não haviam encontrado nada na região, mesmo tendo vasculhado a montanha logo após o desaparecimento do avião.

Os peritos também concluíram que a aeronave foi atingida por um fenômeno conhecido como ‘jetstream’, uma forte corrente de vento, comum em grandes altitudes. Esse fenômeno faz com que a velocidade dos aviões aumente, potencialmente confundindo os cálculos aéreos. Os investigadores acreditam que, ao ser atingida pelo jetstream, a aeronave foi danificada, e ao perder altitude, acabou se chocando contra a montanha.

Mas apesar de todas essas respostas, absolutamente ninguém conseguiu explicar com exatidão o que o piloto quis dizer com a palavra “STENDEC”. Teria sido uma falha na comunicação? Uma tentativa de relatar um problema? Uma mensagem extraterrestre? Ao que tudo indica, jamais teremos essas respostas.

você pode gostar também
1 comentário
  1. Rogério Souza de Gões Diz

    gostaria de receber essas reportagens

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.