O Irã enriqueceu urânio acima do permitido. Mas o que exatamente isso significa?

Shutterstock

O Irã afirma que enriqueceu o urânio para 4,5%, quebrando o limite de 3,67% estabelecido durante o acordo nuclear de 2015. A medida foi uma resposta aos EUA violando os termos do acordo sob administração do presidente Donald Trump. Mas o que as notícias de enriquecimento significam?

Até certo ponto, esta é uma questão com uma resposta simples e química. Como a Comissão Reguladora Nuclear dos EUA explica em seu site, o urânio vem em algumas formas diferentes (ou “isótopos”). Todos eles têm o mesmo número de prótons (92), mas um número diferente de nêutrons. De longe, o isótopo mais comum na natureza é o urânio-238, que possui 146 nêutrons. Na Terra, esse isótopo constitui 99,3% de qualquer amostra de urânio de ocorrência natural.

Mas para reatores nucleares (ou bombas), esse sabor não é muito útil. Aglomerados densos de urânio-238 não tendem a iniciar reações em cadeia nuclear. O segundo isótopo mais comum, no entanto, o urânio-235 (perfazendo apenas 0,7% de qualquer amostra de urânio natural e contendo 143 nêutrons), tende a iniciar reações em cadeia nuclear. Nestas reações, os núcleos dos átomos de urânio se dividem em núcleos menores e liberam nêutrons. Esses nêutrons então fazem com que outros núcleos se dividam, liberando mais nêutrons para uma reação em cadeia auto-sustentável que emite enormes quantidades de energia.

O enriquecimento de urânio é o processo de separar átomos de urânio-238 de uma amostra de urânio, de modo que a amostra inclua uma proporção maior de urânio-235. O urânio enriquecido a 3,67% tem 3,67% de urânio-235. O urânio enriquecido a 4,5% tem 4,5% de urânio-235. E assim por diante.

Então o Irã quebrando o seu limite de enriquecimento significa que o país está agora significativamente mais perto de ter uma bomba?

Na verdade não.

Como relatado pela Associated Press, 4,5% é o suficiente para o Irã abastecer seu reator nuclear Bushehr, já ativo. Mas esse nível fica muito aquém do limite padrão de 90% para o urânio “de grau militar”.

E enriquecer urânio a 90% é um enorme desafio técnico. Requer a construção e operação de centrífugas muito avançadas. Se você viu notícias de tentativas internacionais de sabotar o esforço nuclear iraniano, sabe que o esforço mais bem-sucedido – um vírus de computador chamado Stuxnet – atacou as centrífugas iranianas.

Centrífugas são peças de equipamento de laboratório bastante comuns. Elas giram amostras de material de modo a gerar força centrífuga. Sob essa força intensa, materiais mais pesados ​​e mais leves tendem a se separar.

No entanto, uma centrífuga de laboratório comum está longe de ser poderosa o suficiente para separar o urânio-235 do urânio-238. Os dois isótopos são quase, mas não exatamente, idênticos em massa. E uma amostra de urânio contém muito pouco urânio-235.

Um país que busca enriquecer urânio precisa primeiro transformar uma amostra de urânio em gás. Então, esse gás deve ser levado a velocidades intensas em poderosas centrífugas industriais para fazer com que os dois isótopos se separem, antes que os átomos de urânio sejam extraídos do gás novamente.

Para extrair os 62 kg de urânio-235 necessários para construir uma bomba como a “Little Boy”, que foi lançada em Hiroshima, no Japão, os Estados Unidos gastaram um total de 10% do seu fornecimento nacional de energia. A amostra original de urânio pesava 3.600 quilogramas. E 20 mil pessoas ajudaram a construir a unidade de refino que produziu a bomba, uma instalação que exigia 12 mil pessoas trabalhando.

Não é inviável que o Irã possa enriquecer um estoque significativo de urânio para uso militar. Mas a marca de 4,5% não representa um passo significativo nessa direção, exceto em termos simbólicos. O Irã também ameaçou enriquecer o urânio para 20%, que é mais próximo, mas ainda não é usado em armas. A questão agora é se o colapso do acordo nuclear continuará aumentando as tensões.

Inscreva-se no nosso canal do YouTube

você pode gostar também
1 comentário
  1. Nômades Diz

    Os Estados Unidos da América querem manipular através de pressões seus interesses apesar das precauções com religiosos fanáticos que matam inocentes em nome de Deus.. não vejo necessidade de sansões o Irã no caso não tem tecnologia para enriquecer Urânio para fins militares..

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.